AstraZeneca suspende testes da vacina contra covid-19 após reação adversa, diz Stat News

image_pdfimage_print

Foto de ilustração mostra frasco com rótulo de vacina em frente a cartaz de Covid-19 (Dado Ruvic / Illustration / REUTERS)

Entre os países que testarão a vacina estão Brasil, Estados Unidos e Reino Unido

A AstraZeneca suspendeu os testes de estágio final de sua aguardada candidata a vacina contra covid-19 após uma suspeita de reação adversa séria em um participante do estudo, afirmou o site de notícias de saúde Stat News nesta terça-feira (8).

O site citou um porta-voz da AstraZeneca afirmando que o “processo de revisão padrão desencadeou uma pausa na vacinação para permitir a revisão dos dados de segurança”.

O estudo testa uma potencial vacina contra a covid-19, desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com pesquisadores da Universidade de Oxford em locais como Estados Unidos, Brasil e Reino Unido, onde o evento adverso foi reportado.

A natureza da questão de segurança e quando ela aconteceu ainda não são conhecidas, embora espere-se que o participante do estudo se recupere, de acordo o Stat News.

A reportagem diz que a suspensão do teste tem impacto em outros testes de vacina da AstraZeneca –assim como em estudos clínicos que são conduzidos por outras fabricantes de vacinas.

A declaração do porta-voz da AstraZeneca diz que “em grandes testes, as enfermidades acontecerão por acaso, mas devem ser revisadas de forma independente para verificar isso com cuidado”. O Stat afirmou que as reações adversas graves variam e podem incluir questões que requerem hospitalização, enfermidades com risco de morte.

A AstraZeneca não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

Nove importantes desenvolvedores de vacinas dos Estados Unidos e da Europa prometeram nesta terça-feira manter os padrões de segurança e eficácia para suas vacinas experimentais, apesar da urgência para conter a pandemia do coronavírus.

As empresas, incluindo a AstraZeneca, a Pfizer e GlaxoSmithKline, emitiram o que chamaram de um “compromisso histórico” após o aumento de preocupações de que os padrões de segurança possam ser deixados de lado diante da pressão política para que uma vacina seja aprovada.

As empresas disseram que vão “manter a integridade do processo científico enquanto trabalham em direção a potenciais conclusões e aprovações globais regulatórias para as primeiras vacinas contra a Covid-19”.

As outras signatárias foram Johnson & Johnson, Merck, Moderna, a Novavax, Sanofi e BioNTech.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que já recebeu uma mensagem da AstraZeneca, que comunicou a interrupção dos estudos a todos os países participantes dos testes. Em nota, órgão brasileiro afirmou que vai aguardar mais informações do laboratório para se pronunciar oficialmente.

Por:Reuters

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br   e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

 

 

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: