Botijão: preço do gás de cozinha volta a subir no Pará

image_pdfimage_print

(Foto:Igor Mota / O Liberal) Em julho, produto aumentou cerca de 0,60%, em relação a junho. Nos sete primeiros meses de 2020, acumulado foi de 2,47%

Mais uma vez, o preço do botijão de gás de cozinha de 13 quilos volta a subir no Pará. Em julho, o produto aumentou cerca de 0,60%, em relação a junho. Apesar da porcentagem tímida, o gás tem pesado no bolso do paraense que, ao longo dos sete primeiros meses de 2020, paga o acumulado de reajuste de 2,47%. O município com gás mais caro do Estado é Redenção, na região do Carajás, com o valor médio de R$ 91,80. Já em Belém, o preço, no mês passado, teve o pequeno recuou de 0,16%.

Os dados foram divulgados na quinta-feira (20), pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA), entidade que faz o acompanhamento periódico dos preços. O balanço apresentado também foi baseado nas informações da ANP – Agência Nacional do Petróleo.

No mês passado, o preço médio do botijão de gás de cozinha comercializado no Pará foi de R$ 77,60, com a variação entre R$ 67,00 e R$ 110. Já no mês de junho, o produto foi vendido ao custo médio de R$ 77,13, com valores variando entre R$ 65 e R$ 110. Ainda segundo o Dieese/PA, com a nova alta verificada no mês passado, o Pará fica na sexta colocação entre os estados da Região Norte com o produto mais caro, sendo o sétimo de todo o País.

Mato Grosso, por exemplo, foi a unidade da Federação com o preço mais elevado, ao custo de R$ 96,16, na média. Ele é seguido do Acre, com o preço médio de R$ 84,37; Roraima com o valor de R$ 84,33; Rondônia que pratica venda ao preço médio de R$ 82,36; o Amapá com a média de R$ 81,98 e Tocantins, com a unidade de 13 quilos saindo a R$ 81,22, na média.

Municípios

Em Belém, no mês passado, o preço médio do botijão de gás apresentou um pequeno recuo de 0,19%, comparado ao mês anterior. O produto foi comercializado na capital paraense por R$ 71,09, na variação de R$ 68 e R$ 82. Em junho, o produto foi encontrado ao custo de R$ 71,23, variando entre R$ 70 a R$ 82.

O Dieese ainda aponta que, no mês passado, Redenção foi o município com a média de preços mais alta verificada, custando R$ 91,80; seguido de Parauapebas (R$ 90,00); Altamira com o preço médio de R$ 89,54; Xinguara (R$ 88) e Itaituba, com a média de R$ 87,4.

Consumo

O preço elevado do gás de cozinha pouco sofria aumento na capital até ano passado. Mas, foi na quarentena, em função da pandemia da covi-19, que a dona de casa Thayana Neves, de 39 anos, percebeu o quanto ele pesa no bolso.

“Já paguei R$90 em um botijão de gás, isso é um absurdo. O valor, aos finais de semana e feriados, aumenta devido à taxa de entrega ou mesmo a disponibilidade. Apenas alguns depósitos trabalham fora do horário comercial. Como passei a ficar mais em casa, a comida aumentou e, em menos de um mês, o gás teve de ser trocado”, diz.

Thayna mora com quatro pessoas, sendo duas crianças. “Na quarentena, a gente faz muito bolo, pizza, pão, e o consumo é maior. Mas é preciso fazer cortes, porque o gás entra na despesa mensal, com 15%”, avaliou.

Por:Roberta Paraense

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br   e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

 

 

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: