Buracos transformam BR-163 em Rodovia da Morte

image_pdfimage_print

Plantações de milho, arroz e soja estão surgindo nos buracos que se formam na Rodovia

Quem trafega na Rodovia Santarém-Cuiabá (BR-163), no trecho compreendido entre o município de Belterra, até o quilômetro 145, no município de Placas, deve redobrar a atenção no trânsito. Nas últimas semanas, por conta da grande quantidade de buracos no referido trecho da rodovia federal, vários acidentes envolvendo veículos pesados foram registrados na BR-163.

Se para os motoristas que trafegam eventualmente pela rodovia que liga Cuiabá, no Mato Grosso, até o Porto de Santarém, no Pará, transitar pelo trecho é uma tarefa difícil, imagine para quem mora às margens da estrada e precisa utilizá-la todos os dias. Por conta dos problemas decorrentes da falta de manutenção da rodovia, 4 mortes foram registradas por órgãos de segurança, somente no mês de julho, entre os municípios de Rurópolis e Belterra, no oeste do Pará.

Entre as vitimas estão: três agricultores da Comunidade de Amapá, em Belterra, em um caminhoneiro, que residia no Distrito de Divinópolis, localizado no quilômetro 70, da rodovia Transamazônica, em Rurópolis. O grande número de óbitos decorrentes de acidentes de trânsito na BR-163 levaram moradores e caminhoneiros a pedir providências por parte dos órgãos competentes.

Famílias que residem às margens da rodovia cobram que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) faça o patrulhamento desde a localidade do Portão de Belterra, até Rurópolis. Hoje, a PRF, segundo os comunitários, faz o patrulhamento apenas na zona urbana de Santarém, principalmente no trecho da BR-163, que passa sob o viaduto da rodovia Fernando Guilhon.

Para os comunitários, já existem outros órgãos capazes de fazer as fiscalizações de trânsito na área urbana de Santarém, como Ptran, Detran e a Secretaria Municipal de Mobilidade e Trânsito (SMT).

SERVIÇOS DE TAPA-BURACO: Pressionado por motoristas, proprietários de veículos automotores e atendendo uma reivindicação do deputado estadual Airton Faleiro (PT), o 8º Batalhão de Engenharia de Construção continua os serviços de tapa-buraco, no trecho compreendido entre a Comunidade de São Jorge, em Belterra, na Região Metropolitana de Santarém (RMS), até Rurópolis, na região oeste do Pará.

Por conta do período chuvoso milhares de buracos se abriram no trecho da rodovia dificultando o tráfego de veículos. Em alguns trechos que ainda não foram recuperados, veículos têm dificuldades para trafegar. Devido grãos cair das carretas por causa da trepidação na rodovia, em dezenas de buracos é possível observar o surgimento de sementes germinadas de arroz. Em algumas delas, cachos de arroz estão prontos para serem colhidos.

Em trechos que já foram recuperados é possível trafegar com segurança. Em um trecho, uma placa do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT), instalada no quilômetro 105, indica o valor que foi aplicado na 1ª etapa de revitalização funcional da BR-163. O contrato de restauração e manutenção da rodovia no trecho Santarém/ Belterra foi orçado em R$ 33.958.926,00. A obra foi executada pela Construtora Centro Minas Ltda (CCM).

Já a outra fase de recuperação da rodovia, realizada pelo 8º BEC, iniciou em Rurópolis em direção a Belterra. A obra está prevista para ser finalizada ainda no mês de agosto deste ano.

full price for prednisone 20 mg full price for prednisone 20 mg cheap prednisone buy estrace online, low cost estrace cream , price estrace cream . estradiol dose 3 mg day generic estradiol pills estradiol without progesterone estradiol

Plantações de milho e soja surgem nos buracos da Rodovia
propecia itchy scalp acquire propecia Plantações de milho e soja surgem nos buracos da Rodovia

jul 19, 2014 – cod baclofen cod buy no prescription baclofen fedex shipping pharmacie sale baclofen without prescriptions how to buy buy generic estrace cream. ried had arisen from best prices estrace cream couch of at certain times it is a succedaneum but which the nomads have been  baclofen online

De acordo com o deputado estadual Airton Faleiro, os serviços realizados na BR-163 são frutos da pressão feita em Brasília, após a realização de uma caravana, que contou com a participação de 70 lideranças da região oeste do Pará. Ele destaca que foram negociados vários pontos com o Governo Federal, entre eles, a recuperação do asfalto da BR-163.

“Foi acordado que de forma imediata o Governo iria ordenar a realização de serviços específicos para tapar os buracos na estrada federal. Acordamos, também, a finalização do asfaltamento até Rurópolis, que falta apenas 12 quilômetros, assim como em toda a extensão da BR-163. Já estamos aguardando, também, a liberação das obras para a duplicação da rodovia no trecho urbano de Santarém, entre a Companhia Docas do Pará, até o 8º BEC”, enfatizou Faleiro.

Neste ano, a estimativa é de que 150 mil caminhões cruzem a BR-163 com 6 milhões de toneladas de grãos. A rodovia tem mil quilômetros no Pará e um dos trechos mais críticos fica entre os municípios de Novo Progresso e Itaituba, no oeste do Estado. São cerca de 240 quilômetros de estrada de terra. Muitos perigos e quase nenhuma sinalização.

MORTES NA RODOVIA: Por volta das 23:50 horas de segunda-feira (28) uma carreta e um caminhão boiadeiro se chocaram de frente no quilômetro 131 da BR 163, próximo ao município de Rurópolis, causando uma vítima fatal. O motorista da carreta, que até agora não foi identificado, não teve ferimentos. O motorista do caminhão boiadeiro que saiu de Santarém com destino a Rurópolis, Saulo Freitas da Silva, 23 anos, morador do Distrito de Divinópolis, no quilômetro 70 da BR-230 (Transamazônica), não teve a mesma sorte e faleceu, enquanto militares do 8º BEC, que trabalham no asfaltamento da Rodovia, serravam a cabine do veículo para retirá-lo. Uma outra pessoa que vinha como carona no caminhão, Alexandre José Ferreira de Souza, de 28 anos, natural do Paraná, teve as duas pernas fraturadas e está no PSM de Santarém. Os veículos seguiam em sentidos opostos. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) suspeita que o acidente tenha acontecido depois que o caminhão invadiu a contramão. A carreta estava carregada com cerâmicas que ficaram espalhadas pela rodovia e foram saqueadas pela população.

Outro acidente com vítima fatal aconteceu no dia 12 deste mês, na Comunidade de Amapá, no quilômetro 35 da BR-163, no município de Belterra. Durante o acidente, o agricultor Adelino Freitas de Castro morreu após a motocicleta em que ele era transportado colidir com uma bicicleta. O ciclista atingido foi identificado como Raimundo Castro da Conceição, de 50 anos.  Segundo a PM, ele sofreu ferimentos pelo corpo e um corte profundo em uma das pernas, foi socorrido e encaminhado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), ao Pronto Socorro Municipal (PSM), porém, três dias depois não resistiu aos ferimentos e faleceu.

Moradores saqueiam mercadorias que caíram de uma carreta, após um acidente
Moradores saqueiam mercadorias que caíram de uma carreta, após um acidente

Também no mês de julho outro acidente com vitima falta foi registrado na Comunidade de Amapá, na BR-163, em Belterra. Antônio Linhares de Lima, conhecido por “Pé de Cobra” morreu após ter sido atropelado por uma pick-up, na noite do dia 21 deste mês. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) foi ao local e fez os procedimentos necessários. O motorista foi levado à delegacia de Polícia Civil. De acordo com o delegado Lucivelton Ferreira, foi feito o teste do bafômetro, que deu negativo para o consumo de álcool.

CHOQUE ENTRE CARRETAS: Na quinta-feira, 23/07, duas carretas carregadas com milho se chocaram de frente na Rodovia Santarém-Cuiabá (BR 163), a cerca de 5 quilômetros de Moraes de Almeida. Durante o acidente ninguém se ferido, somente danos materiais. As duas cargas de milho ficaram espalhadas pelo leito da Rodovia.

BURACO NO COMPLEXO DO VIADUTO: Um buraco localizado no cruzamento das rodovias Fernando Guilhon e Cuiabá, no complexo do viaduto de Santarém, virou motivo de reclamação dos motoristas. Quem trafega no local afirma que o buraco se transformou em geração de renda para as oficinas da cidade, por conta de peças dos veículos ficarem completamente danificadas quando os carros passam no orifício, obrigando os proprietários a procurar assistência técnica. Muita lama no local também é vista por quem passa próximo ao viaduto. Para fugir do buraco, os motoristas precisam fazer malabarismos. Para andar pelo local, é preciso cuidado e paciência. Quem entra em uma oficina mecânica da cidade se depara com a grande quantidade de veículos apresentando problemas por conta da péssima condição da malha viária. Viver em Santarém não é nada fácil. Ruas esburacadas, mato, sujeira e falta de iluminação pública fazem parte do cotidiano dos moradores do Município.

Fonte: RG 15/O Impacto
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981171217 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro)  (093) 35281839  E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br

%d blogueiros gostam disto: