CAR vai impulsionar políticas ambientais, destaca ministra

image_pdfimage_print

Cadastro Ambiental Rural

Programa de Recuperação Ambiental, previsto na nova Lei Florestal começa após o cadastramento, ressalta Izabella Teixeira

Cadastro Ambiental Rural já registrou 22,5 milhões de hectares

Prazo para aderir ao Cadastro Ambiental Rural acaba dia 5 de maio

Parceria possibilita inscrição de assentamentos no Cadastro Rural

best prices for all customers! buy dapoxetine paypal . approved pharmacy, buy dapoxetine online. safe_imageA ministra do Meio Ambiente (MMA), Izabella Teixeira, participou em Brasília (DF), da abertura da Conferência Governança do Solo, promovida pelo Tribunal de Contas da União (TCU), onde ressaltou a importância do Cadastro Ambiental Rural (CAR) para os produtores rurais e para as políticas públicas de meio ambiente, produção de alimentos e preservação dos recursos hídricos.

Durante evento, nesta quarta (25), a ministra disse que o Programa de Recuperação Ambiental (PRA), previsto na nova Lei Florestal para começar após o CAR, é a maior proposta de recuperação de florestas no mundo. “O CAR já cadastrou 143 milhões de hectares, área que é do tamanho da Itália, França, Alemanha e Grécia juntas, ” disse.

O número representa 38% de todos os estabelecimentos agropecuários do Brasil, registrados pelo senso do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2006.

O prazo para o cadastramento, que definirá quais as propriedades que terão que recuperar a cobertura vegetal de suas áreas de preservação permanente e reserva legal desmatadas vai até 5 de maio.

Atendimento ao público

O Ministério do Meio Ambiente manterá, durante os três dias de evento, um stand do CAR, com atendimento ao público da conferência. Os técnicos vão explicar o que é o Sistema de Cadastramento Ambiental Rural (Sicar), um banco de dados que cobrirá todas as propriedades agropecuárias do País.

Izabella explicou que o CAR é o principal instrumento da política ambiental do País. Para ela, a implantação da nova Lei Florestal, que criou o CAR e o PRA, demonstrará as vantagens de produzir mantendo os serviços ambientais oferecidos pela natureza.

Para ela, a recuperação ambiental que será promovida a partir do novo Código Florestal mudará a perspectiva das políticas ambientais brasileiras. “As políticas públicas para a área são vistas hoje sob a ótica da gestão de vulnerabilidade e risco ambiental, quando podemos oferecer soluções para o setor produtivo a partir do Código Florestal”, disse.

Nova trajetória

Segundo a ministra, a integração entre as políticas ambientais, sociais e de desenvolvimento já apontam uma nova trajetória para o campo e para as cidades.

“O Brasil é um País que tem vocação para a produção de alimentos, mas tem também vocação para as florestas”, explicou a ministra. “Podemos dar exemplo ao mundo de como produzir preservando nossa riqueza ambiental.”

Izabella Teixeira criticou o que chamou de polarização entre as questões ambientais e de produção. Na sua avaliação, os setores produtivos e ambientais caminham juntos. “A preservação do solo, da água e da vegetação contribui para a melhoria da produtividade agropecuária.”

A ministra ressaltou que o diálogo entre as várias áreas poderá produzir uma pauta política permanente, com soluções que não dependam de governos.

Semiárido

Ainda durante o evento nesta quarta (35), no período da tarde, o diretor de Combate à Desertificação do MMA, Francisco Campello, coordenou uma apresentação sobre políticas públicas referentes à governança do uso dos solos, com foco na convivência sustentável com a semiaridez.

“Precisamos nos mirar em exemplos práticos bem sucedidos para executar as políticas públicas, a partir da experiência de quem convive com o semiárido no dia a dia”, destacou Campello.

Segundo ele, o excesso de interferência no bioma da Caatinga é prejudicial. “É preciso conservar a cobertura vegetal nativa e fazer o manejo dos recursos naturais”, disse.

A Caatinga reúne 1,8 milhão de famílias de agricultores (produção de feijão, milho e mandioca principalmente) e um rebanho de 28,2 milhões de cabeças em 1.135 municípios.

Participaram ainda o diretor do Instituo Nacional do Semiárido (Insa), Ignácio Salcedo; o diretor da Assessoria e Gestão em Estudos da Natureza, Desenvolvimento Humano e Agroecologia (Agendha), Mauricio Aroucha; o professor da Universidade de Campina Grande Jacob Silva; e o gerente da empresa Sistemas Técnicos Racionais, José Arthur Padilha, que falou sobre o uso da água em microbacias hidrográficas na Caatinga.

Fonte:
Ministério do Meio Ambiente
por Portal Brasil

buy prednisone online >> high quality, doxycycline dosage for acne rosacea doxycycline dosage to prevent leptospirosis purchase doxycycline generic prednisone without prescription. cheap prednisone from top pharmacies, order with credit cards, worldwide shipping. buy prednisone canada buy prednisone australia buy prednisone buy atarax, atarax online, order atarax online, purchase atarax online, generic atarax, atarax 25 mg tablet, atarax 10mg tablets.

Publicado por Folha do Progresso fone para contato Cel. TIM: 93-981171217 / (093) 984046835 (Claro) Fixo: 9335281839 *e-mail para contato: buy online canada circles under eyes fluoxetine 20 mg street value buy hcl online cheap prozac . can i buy prozac online buy australia prozac use pros and generic fucidin folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: