Escola pública paraense ganha prêmio da Unicef

image_pdfimage_print

O reconhecimento é devido a um projeto de inclusão social desenvolvido na instituição

Materiais recicláveis como garrafa pet, cabos de vassoura, telas de fachada, bolas de borracha, pneus de carro e tubos de PVC. Esse são alguns dos materiais usados pelos alunos da Escola Municipal Teresinha Sousa para desenvolver a parte estrutural do “Projeto Mini Tênis Inclusivo”, premiado pela Fundação das Nações Unidas para a Infância (Unicef) na primeira colocação na categoria “Paratodos” de inclusão escolar.

É a segunda vez que a escola, localizada no bairro Castanheira, ganha reconhecimento por projetos de inclusão. O “Mini Atletismo”, desenvolvido em 2015, ficou em segundo lugar na premiação do ano e virou motivo de orgulho e satisfação para todos os professores da instituição. “Estamos muito felizes pelo reconhecimento e nos sentimos cada vez mais motivados a desenvolver projetos inclusivos que mostrem, principalmente, que o segredo é despertar em cada criança, seja ela com deficiência ou não, o seu potencial”, declarou o educador físico Itair Medeiros, coordenador das atividades.

Seguindo as práticas originais do tênis, mas levando em consideração as especificidades de cada aluno e respeitando seus limites, o “Mini Tênis Inclusivo”, realizado uma vez por semana durante as aulas de educação física, conta com o apoio integral de todo o corpo docente da escola e engloba todos os 530 alunos matriculados na unidade escolar, incluindo os 16 estudantes com diagnósticos de deficiências intelectual e auditiva, paralisia cerebral, distúrbio de comportamento, hiperatividade, Transtorno do Espectro Autista (TEA) ou síndromes de Turner e de Down.

Diagnosticado desde o nascimento com deficiência intelectual, Marcelo Castro (13) já tem seu horário preferido na escola: o momento das atividades físicas. “Foi aqui na quadra que eu fiz minhas primeiras amizades. Hoje, já tenho muitos amigos, eles me ajudam nos exercícios e eu também os ajudo quando posso”, afirmou.

Para o professor Itair, o grande ganho do projeto se dá na integração entre os envolvidos. “Apesar do desafio ser individual onde cada aluno supera suas limitações, a vitória é de forma coletiva”, concluiu.

O PROJETO

É resultado do Programa Portas Abertas para a Inclusão, desenvolvido na rede municipal desde 2015 por meio de parceria entre a Prefeitura de Belém, Instituto Rodrigo Mendes, Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e Fundação Barcelona, instituição vinculada ao time espanhol de mesmo nome.

Cada escola avalia a melhor forma de incluir alunos com qualquer tipo de deficiência na disciplina de Educação Física.  Também pode ser elaborado por intermédio de novas metodologias de trabalho, como jogos cooperativos, oficinas, palestras, atividades culturais e pedagógicas.

Fonte: ORMNews.
“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro)   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: