Família alega omissão de socorro em morte de caminhoneira

image_pdfimage_print

(Foto:Reprodução)- Conforme relatos do marido da vitima, o acidente ocorreu por volta das 02h00mn, da madrugada do dia 15 de Junho de 2020, a motorista não teve ferimentos grave, levou mais de 3 horas para ser retirada das ferragens, 4 horas para  chegar ao atendimento médico, com um trecho de 70 km, do local do acidente até hospital de Itaituba.

“Diana estava bem, não teve fraturas exposta, machucou a perna e tinha dificuldade para respirar, até que o atendimento médico  chegar, ele passou mal, ela estava sufocada, não resistiu, a morte poderia ser evitado”,enfatizou.

Leia mais:Corpo de carreteira “Diana Oliveira” foi sepultado em Novo Progresso

*Mulher morre após acidente na rodovia BR 163 na cidade de Trairão no Pará

A caminhoneira Diana Oliveira Anderson,46 anos, morreu na manhã de segunda(15), após sofre grave acidente na BR 163, no trecho entre Campo Verde e a cidade de Trairão , ela tinha descarregado em Miritituba, segunda  a familia a demora de mais de 3horas para o socorro da motorista, pode ter colaborado para o óbito.

Leia mais:Caminhoneira Diana deixou marido e 8 filhos

Diana era motorista da empresa Comando Diesel, a familia reclama dos municipios em torno da rodovia BR 163,  eles não atendem os casos de acidente, poderiam ter assistência nestes trechos, onde constantemente motoristas perdem a vida em acidente, reclamou.

Carreta saiu da pista na BR-163 — Foto: WhatsApp
Carreta saiu da pista na BR-163 — Foto: WhatsApp

Diana estava tempo todo consciente , ao ser socorrida conversou com os motoristas e disse ter passado mal -mal estar – onde perdeu o controle do veiculo em alta velocidade, ela ficou presa as ferragens, e foi socorrida por populares, estava machucada, sentiu mal estar.  A filha reclama que  a mãe Diana Ficou mais de Três horas para ser socorrida , quatro horas para chegar ao hospital num trecho de 70km, a omissão dos profissionais da saúde na demora de tirar a vitima dentro das ferragens – esperaram outros motoristas agirem na retirada de Diana- os profissionais ficaram olhando, nada fizeram, minha mãe poderia estar viva, ela morreu pela demora,divulgou nas redes sociais.

Segundo o marido da vitima, os municipios em torno da rodovia BR 163, não estão preparados para o atendimento de acidentes, os profissionais de Trairão é exemplo, são totalmente despreparados. Eles não tem treinamento para socorro de vitimas neste tipo de acidente, é necessário que os municipios atentem a isto, para ajudar salvar vidas, a Diana poderia estar salva,lamentou.

Outro Lado

O Jornal Folha do Progresso foi em busca de informações com empresas do setor de transporte de grãos, e recebeu a seguinte resposta; lamentavel, os motoristas são alvos do descaso da rodovia, fazem sua parte,verdadeiros herois, somos sabedores da falta de um  corpo de bombeiro para atender estas ocorrências onde poderiam salvar vidas, infelizmente não temos.
A empresa disse ainda que seus motoristas não são profissionais de saúde capacitados a avaliar o estado das vítimas, não dominam os protocolos desse segmento, e os seus carros não são adaptados para substituírem ambulâncias.

Por:JORNAL FOLHA DO PROGRESSO

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com e/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

 

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: