Governo do Pará começa a definir estratégias de enfrentamento ao Coronavírus

image_pdfimage_print

(Foto:Reprodução/NIH) – Comitê Técnico foi criado pelo Estado para prevenir e identificar casos de contaminação com rapidez

Definir as primeiras ações nas áreas de Vigilância, Prevenção e Controle do novo Coronavírus (2019-nCov) no Estado do Pará foi o objetivo da primeira reunião do Comitê Técnico Assessor de Informações Estratégicas e Respostas Rápidas à Emergência em Vigilância em Saúde, presidida pelo secretário de Estado de Saúde Pública, Alberto Beltrame, na manhã desta quinta-feira (30).

Segundo o secretário, o Coronavírus é uma preocupação mundial, e o Pará não está isolado desse processo.

A primeira medida do governo, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), é a criação do Comitê Técnico Assessor, destinado a articular órgãos da administração estadual com o governo federal e entidades públicas e privadas, para dar condições ao Sistema de Saúde de responder a uma eventual chegada do Coronavírus ao território paraense.

“Podemos dizer à sociedade do Pará que nós estamos cuidando da prevenção, da identificação precoce dos casos e, sobretudo, do tratamento das pessoas que venham a contrair o Coronavírus.

Queremos transmitir à sociedade paraense uma mensagem de tranquilidade, serenidade e segurança de que a Sespa e suas entidades parceiras estão tomando todas as providências adequadas para proteger a saúde das pessoas diante do eventual advento do Coronavírus aqui no Pará”, assegurou o titular da Sespa.

Alberto Beltrame disse, ainda, que a reunião ordinária do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e a reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT) foram antecipadas para os dias 5 e 6 de fevereiro, em Brasília (DF), para que os gestores estaduais e municipais de Saúde possam se reunir com o Ministério da Saúde e receber informações e esclarecimentos sobre que tipo de apoio o MS garantirá aos estados no que tange à aquisição de equipamentos e materiais para uso dos profissionais durante a assistência a casos suspeitos.

O diretor de Vigilância em Saúde, Amiraldo Pinheiro, disse que a preocupação é maior porque, por ser um vírus novo, há muitas dúvidas e ainda não se sabe como será seu comportamento no Brasil. “Não existe antiviral e nem vacina contra o Coronavírus”, enfatizou o diretor, acrescentando que, quando o H1N1 surgiu, havia pelo menos perspectiva real de vacina.

A diretora do Departamento de Epidemiologia, Ana Lúcia Ferreira, disse que o Plano Estadual de Contingência está sendo elaborado com base no nacional, no qual cada setor é responsável pelo detalhamento da sua área de atuação.

Edivandro Guimarães, coordenador da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), explicou o procedimento nos portos e aeroportos, e agradeceu pela iniciativa da Sespa em instituir o Comitê Técnico e organizar as ações de forma integrada com outras instituições.

O representante da Defesa Civil, Marcelo dos Santos, assegurou que “nós podemos nos encarregar de mobilizar outras instituições, como as Forças Armadas, se for necessário”.

Sinais de caso suspeito – De acordo com o Ministério da Saúde, é considerado caso suspeito de infecção humana pelo 2019-nCoV o indivíduo que apresentar:

1- Febre e pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais, entre outros), e histórico de viagem para área com transmissão local, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas;

2: Febre e pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais entre outros) e histórico de contato próximo de caso suspeito para o Coronavírus (2019-nCoV), nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas;

3: Febre ou pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais entre outros) e contato próximo de caso confirmado de Coronavírus (2019-nCoV) em laboratório, nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas.

O fluxograma de atendimento de casos suspeitos deverá ser informado na próxima semana, com divulgação da lista de hospitais que serão referência em cada Região de Saúde, uma vez que é impossível considerar como referência apenas o Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB), localizado em Belém, por ser referência em Infectologia e Pneumologia dentro do Sistema Único de Saúde (SUS).

Neste momento, todos os casos suspeitos de Coronavírus devem ser notificados de forma imediata (até 24 horas) pelos profissionais de saúde responsáveis pelo atendimento, às Vigilâncias Municipais ou ao Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde Estadual (Cievs/PA) pelo telefone (91) 99179-1860 ou pelo e-mail: cievs@sespa.pa.gov.br.

Também participaram da reunião a secretária adjunta da Sespa, Ivete Vaz; o diretor de Desenvolvimento e Auditorias dos Serviços de Saúde, Breno Henry; a vice-diretora do Laboratório Central (Lacen-PA), Valnete Andrade, e outros técnicos de diversas áreas da Sespa que integram o Comitê.

Por:Agência Pará

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br e/ou e-mail: adeciopiran_12345@hotmail.com

 

 

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: