Hospital Metropolitano realiza ações no Setembro Amarelo

image_pdfimage_print

Mês visa conscientizar mundialmente sobre o suicídio. Equipe multiprofissional precisa estar atenta para identificar traumas autoprovocados

Para reforçar a importância do Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, lembrado em todo o mundo neste dia 10 de setembro, o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) está promovendo uma agenda de ações ao longo da semana para orientar pacientes e acompanhantes a identificar potenciais sintomas, e colaboradores assistenciais para o adequado manejo em casos de atentados contra a própria vida, situações frequentes em unidades de emergência.

A programação do Setembro Amarelo, como é chamada a campanha de conscientização sobre o tema que acontece mundialmente ao longo deste mês, inclui rodas de conversa e mostras de vídeos para acompanhantes e colaboradores da unidade gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar.

De acordo com a coordenadora de Psicossocial, Jucielem Farias, o objetivo é levantar a discussão sobre o tema, tão estigmatizado. “Aos usuários buscamos apresentar sinais e comportamentos de pessoas em risco de suicídio e os locais para pedir auxílio no Sistema Único de Saúde (SUS). Já para os colaboradores assistenciais, a importância de uma ação preventiva nos momentos seguintes após a tentativa para que o paciente não volte a se arriscar”, afirmou Jucielem.

Entre os públicos sensibilizados, estava Maria Joana de Sousa, que foi visitar o filho internado após um acidente. Para ela, é preciso falar sobre saúde mental “Estar sozinho é pior, mas tem vezes que a pessoa prefere ficar longe dos outros. Quem está por perto precisa ouvir, dar força, entender o outro e não achar que é loucura. Eu me cuido”, ressaltou.

Para a psicóloga da Pró-Saúde, Natália Marçal, o ambiente hospitalar também exige desafios. “É uma dor que não é visível, diferente de um machucado que você vai lá e trata. Mas não significa que as pessoas não estão em sofrimento, também estão adoecidas e precisam da nossa ajuda”, alertou. Ela explicou que o SUS prioriza a integralidade do paciente, que não é só corpo pois aspectos emocionais precisam ser considerados – e investigados para evitar a perda da vida.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou um relatório que aponta que uma pessoa se suicida a cada 40 segundos em todo o mundo e para cada concretização, são realizadas em média três tentativas. Elas aparecem em ocorrências como quedas (e fraturas), lesões autoprovocadas por objetos cortantes e armas de fogo, enforcamento, envenenamento e atropelamentos propositais.

“O atendimento acolhedor aumenta as chances de prevenção. As causas são multifatoriais e podem estar relacionados a transtornos psiquiátricos (esquizofrenia, depressão, dependência química etc) ou a aspectos ambientais como vulnerabilidade social e desemprego, aliados às características da personalidade – a que planeja ou que é impulsiva, que vai para o tudo ou nada”, continuou Natália.

Para quem atua na área da saúde o desafio é romper com preconceitos. Há um choque de percepção quando se tenta proteger vidas diariamente e se depara com pacientes que querem exatamente acabar com as próprias. “É preciso avaliar na prática. O paciente às vezes sente tanta dor que ele prefere morrer do que continuar sentindo aquilo. A equipe assistencial deve estar atenta, para quem tem baixo risco de suicídio, que tenta uma vez mas não pretende continuar, até o mais alto, aquele que independente do que se diga, está determinado. Nestes casos, a vigilância é constante”, explicou a psicóloga.

Sobre o HMUE
Referência no tratamento de média e alta complexidades em traumas e queimados para a região Norte pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), localizado em Ananindeua (PA), dispõe de 198 leitos operacionais nas especialidades de traumatologia, cirurgia geral, neurocirurgia, clínica médica, pediatria, cirurgia plástica exclusivo para pacientes vítimas de queimaduras, além de leitos de UTI.

O HMUE recebe pacientes da Região Metropolitana de Belém, dos diferentes municípios do Pará e também de outros estados. Em 2018, realizou mais de meio milhão de atendimentos, entre internações, cirurgias, exames laboratoriais e por imagem, atendimentos multiprofissionais e consultas ambulatoriais.

Sobre a Pró-Saúde
A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade.

Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 23 cidades de 11 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.

Por>:Dayane Baía (ASCOM)

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br e/ou e-mail: adeciopiran_12345@hotmail.com

 

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: