Mineradora e Estado do PA são alvos de ação pela DPE por impactos na região de Volta Grande

image_pdfimage_print

Empreendimento Belo Sun pode causar danos irreparáveis a comunidades ribeirinhas e indígenas que vivem na região da Volta Grande do Xingu, no Pará. — Foto: Reprodução/TV Liberal

Ação aponta riscos à comunidade ribeirinha causados por um minerário de ouro na zona rural de Senador José Porfírio, sudoeste do estado.

O Estado do Pará e a empresa Belo Sun Mineração Ltda. são alvos de uma ação civil pública da Defensoria Pública do Estado (DPE), apontando riscos à comunidade ribeirinha causados por um minerário de ouro na zona rural de Senador José Porfírio, sudoeste do estado. O G1 solicitou nota da mineradora e do governo estadual, mas ainda aguarda retorno.

A ação é do Núcleo das Defensorias Agrárias, após um relatório técnico, de junho deste ano, produzido pela Associação Interamericana para a Defesa do Meio Ambiente (Aida), com manifestação sobre o projeto minerário Volta Grande.

De acordo com o geólogo Andres Eduardo Angel, o empreendimento é considerado de grande porte e com capacidade estimada para produção de 50 toneladas de ouro em 12 anos de funcionamento.

O estudo aponta, ainda, que não foi examinado pelo empreendimento o diagnóstico ambiental e ocupações dos povos ribeirinhos, “nem assegurado a eles direito à participação, consulta e consentimento prévio”, corolário do direito ao território, previsto pelo Pacto São José da Costa Rica e Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), segundo a DPE.

A DPE apontou, na ação, o risco e as ameaças aos territórios e às atividades agrárias de extrativismo do peixe e agricultura.

O projeto, conforme é citado na ação, foi licenciado pelo Estado do Pará, “o qual ignorou o direito ao território e consulta prévia dos moradores da Ilha da Fazenda, ao determinar que a empresa (e não o Estado) realize reuniões (e não consulta) com as famílias, para decidirem sobre a modalidade de indenização (e não sobre o empreendimento”.

A ação considera que o empreendimento está ilegal, “por violar normas sobre licenciamento” e tem intuito de assegurar o direito ao território aos povos ribeirinhos, localizados às margens do rio Xingu, na região de Volta Grande.

O documento pede a condenação com indenização de perdas e danos, multas fixada por dia caso haja descumprimento e a suspensão do licenciamento do projeto.

Por G1 PA — Belém

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br   e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

 

 

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: