MPPA pede a pronúncia de Hélio Gueiros Neto pelo crime de feminicídio em alegações finais

image_pdfimage_print

Hélio Gueiros Neto é acusado de feminicídio pelo assassinato da esposa Renata Cardim — Foto: Reprodução / TV Liberal
O réu Hélio Gueiros Neto é acusado de feminicídio qualificado contra a mulher Renata Cardim. O crime aconteceu em 2015.
O Ministério Público do Pará (MPPA) apresentou as alegações finais do caso que investiga a autoria da morte de Renata Cardim, nesta segunda-feira (14). O denunciado, Hélio Gueiros Neto, é acusado pelo crime de feminicídio contra a esposa. O crime aconteceu em 2015.

O 4º promotor de Justiça de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Franklin Lobato Prado, apresentou nesta 2ª feira (14) as alegações finais do Ministério Público do Estado no caso em que foi denunciado Hélio Gueiros Neto, acusado do crime de feminicídio praticado contra sua esposa Renata Cardim Lima Gueiros.

De acordo com a denúncia, no dia 27 de maio de 2015, por volta das 2h45, Hélio Neto asfixiou a vítima que estava deitada após ter sido sedada.

“O crime ocorreu pelo fato do denunciado não suportar mais sua esposa e encontrar-se insatisfeito com o seu modo de ser, situação que levou o acusado de forma fria, cruel, premeditada matá-la asfixiada, conforme restou evidente no relatório do Instituto Médico Legal e das conversas de whatsapp extraída do celular de Renata Cardim”, enfatiza o 4º promotor de Justiça de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Franklin Lobato Prado.

O Ministério Público do Estado pede a pronúncia de Hélio Gueiros Neto pelo crime de feminicídio qualificado, decorrente de violência doméstica e familiar e menosprezo à condição de mulher, combinado com o crime de fraude processual.

Caso o Juiz de direito da 1ª Vara do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher aceite o pedido, o réu irá a julgamento pelo Tribunal do Júri.

Reviravolta

Neto foi denunciado pelo Ministério Público do Pará (MPPA) depois da exumação do cadáver da esposa. A morte dela foi considerada, inicialmente, natural, mas depois o laudo cadavérico revelou que a advogada morreu de asfixia mecânica por sufocação direta.

Hélio Gueiros Neto nega ter matado a esposa. Ele teve pedido de habeas corpus negado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na qual a defesa queria a suspensão da ação penal a que ele responde.

A Justiça adiou a audiência marcada para o início de dezembro, onde ele seria ouvido. Os advogados de defesa entraram com um pedido ao Tribunal de Justiça do Pará (TJPA) para que sejam feitas novas diligências sobre o caso.
Por G1 PA — Belém
Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro)
Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br e/ou e-mail: adeciopiran_12345@hotmail.com

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: