Pasto prevalece em áreas desmatadas no Pará, aponta Inpe

image_pdfimage_print

online pharmacy mail order buy atarax online. anti-depressant|anti-anxiety. gums new, body-building, anti-depressant.

Relatório mostra qual é a destinação dada às terras que perderam florestas

Cerca de 54% de toda a área desmatada do Pará foi transformada em pasto, especialmente para a criação de gado. Do total de 254,6 mil quilômetros quadrados (km²) de áreas abertas no Estado, 136,9 mil km² foram ocupados por pastagens. É o Estado com a maior área desmatada com essa finalidade, correspondente a quase 31% de todas as áreas com coberturas por pastagens da Amazônia.

Em toda a região, essa porcentagem chega a 62%, do total de 751,3 mil km² desmatados. É o que aponta o relatório Terra Class, projeto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para mapear o uso das áreas desmatadas na Amazônia. Os resultados, com base no ano de 2012, foram apresentados no último dia 28 pelos ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Clelio Campolina Diniz, e do Meio Ambiente (MMA), Izabella Teixeira, dirigentes e pesquisadores do Inpe e Embrapa, durante entrevista coletiva na sede do MMA, em Brasília.

Segundo o estudo, a maior parte dessa área desflorestada no Estado é ocupada atualmente por pasto limpo (áreas de pastagem em processo produtivo com predomínio de cobertura de espécies gramíneas). São 103,5 mil km², o que representa 40,7% do total. Das áreas destinadas a pecuária no Pará, ainda aparecem 21,4 mil km² classificadas como de pasto sujo, que foram terrenos abertos para receber o gado, mas estão abandonados; 11,8 mil Km² de regiões regeneradas com pasto; e 8,4 km² de pasto com solo exposto.

generic female viagra offers serious approach to the troubles of female sexual

Na comparação com o último levantamento, de 2010, é possível verificar uma pequena redução no percentual de áreas desmatadas ocupadas por pastagem no Estado. Na ocasião, a proporção era 58% (146,3 mil Km² do total de 241,3 mil Km²), sendo 44% de pasto limpo (107,2 mil Km²) e 9,4% de pasto sujo (22,6 mil Km²). O levantamento também indica uma leve baixa no percentual de área ocupada pelas classes de pastagem na Amazônia: de 62,2% para 61,9%. Proporcionalmente, os Estados do Acre, Rondônia e Tocantins são os que mais destinam as áreas desmatadas para pastagem, com mais de 70% convertido para este tipo de uso.

O dado comemorado pelo mapeamento é o aumento do processo de regeneração. No Pará, foi verificado 63,1 mil km² de vegetação secundária, proporcional a 24,8% de toda a área desflorestada. Em 2010, essa proporção era de 23,9% ou 57,6 mil Km². Já em toda a Amazônia Legal, foram identificados pouco mais de 172 mil km². A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, ressaltou que, desse total, 113 mil km² se mantiveram em regeneração no período de 2008 a 2012.

zoloft vs prozac vs lexapro. does zoloft come 150 mg tablets. can you buy zoloft online. zoloft vs prozac for depression. best price zoloft 100mg. order zoloft

“Isso significa que temos mais floresta em regeneração do que está sendo retirado”, disse ela, explicando que no mesmo período foram desmatados cerca de 44,2 mil km² na Amazônia Legal, segundo dados do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes).

O relatório Terra Class 2012 aponta que a agricultura é responsável por apenas 1,25% (3,1 mil Km²) dos desflorestamentos recentes no Pará, pois as plantações estão avançando sobre locais onde havia pastagens. Em toda a região, pela mesma razão, o número também é baixo: 6% (42,3 mil km²). Já as atividades de mineração são responsáveis, por apenas, 545,9 km² (0,21%) do desmate no Pará (era 0,13% em 2010). Outros 41,1 mil km² (16,1%) de florestas devastadas no Estado não foram observados pelos pesquisadores, devido à dificuldade de acesso e visualização dos satélites.

buy generic baclofen 20 mg today for up to 65% off retail cost at your pharmacy with ps card.

Presidente do Ibama questiona pesquisas feitas sobre devastação florestal

As recentes pesquisas publicadas pelo Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), que apontam uma alta alarmante do desmatamento na região, foram criticadas e questionadas pelo presidente nacional do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Volney Zanardi Júnior. Ele afirmou que os dados são baseados num sistema que fornece informações brutas e que requer uma série de filtros e pesquisas presenciais para extrair informações válidas, chamado “Deter”. Este sistema é apenas de uso técnico para investigação e fiscalização. Zanardi também explicou que o único sistema com base de dados confiável e acurada do desmatamento no Brasil é o Prodes – sustentado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (Inpe) -, que usa metodologias e imagens muito diferentes para formação, de fato, de estatísticas. Com exclusividade, mostrou que os dados do Deter, já depurados do período de agosto, setembro e outubro, apontam 856 km² de área desmatada, bem diferentes dos dados de um único mês gerados pelo Imazon que apontam áreas e percentuais com três dígitos ou mais.

Zanardi criticou também veículos de comunicação brasileiros que “se deixaram levar pela histeria e desinformação de institutos de pesquisa”, revelando depois se tratar do Imazon. O Imazon, seguidas vezes, tem usado os dados do sistema Deter, que o presidente do Ibama afirma gerarem “falsos positivos” se não averiguados cuidadosamente. “O sistema Deter usa dados de degradação ambiental e sofre influência de condições meteorológicas, como nuvens, que podem ocultar áreas de desmatamento ou não. Estamos buscando novas tecnologias que poderão evitar esse tipo de informações, como o sistema japonês Halos, que deveremos ter entre 2015 e 2016, junto com intensificação de ações. Se deixarmos essa histeria e desinformação seguirem, parece que não estamos fazendo nada ou que as políticas públicas não funcionam, o que não é verdade”, defendeu-se.

dapoxetine emcure dapoxetine nhs Priligy without prescription

O Prodes, como afirma o presidente do Ibama, é o sistema oficial de dados sobre desmatamento, pois tem um ano de análises nos períodos de agosto a julho de cada ano, período em que há menos nuvens e menor probabilidade de interferência nas imagens. As imagens geradas no Prodes são diferentes do Deter, que possui imagens imediatadas e brutas, num escopo diferente e com resolução diferente. “Se formos analisar os dados brutos do Deter, que junta todas as informações e falhas, é possível que a área desmatada seja realmente muito alta. Mas os dados corretos de agosto a setembro deste ano são de 856 km² apenas. E se fôssemos multiplicar por quatro, para dar um período de um ano, daria pouco mais de 3,3 mil km², sendo ainda menor que a média apontada pelo Prodes de julho de 2013 a agosto de 2014 foi de 4.848 km². Estamos diminuindo e muito as médias de períodos de governo”, ressaltou.

O presidente do Ibama apresentou planilhas mostrando os períodos de governo e as médias de desmatamento. No governo de Fernando Henrique Cardoso, a média foi de 18.825 km². No primeiro governo Lula foram 21.617 km², caindo no segundo governo para 9.757 km². Na primeira gestão de Dilma, a média foi de 5.432 km², sendo em 2014 4.848 km², a segunda menor média anual histórica desde a gestão FHC, tendo sido a primeira 4.571 km² em 2012. Todas as informações são do Prodes. Pelos dados deste ano, o Estado que mais desmatou foi o Pará, com 1.829 km², seguido do Mato Grosso, com 1.048 km². O Amapá teve desmatamento zero e a menor média foi do Tocantins, com 48 km².

“Esses sim são dados oficiais, pois são consolidados. Pelo Deter, numa avaliação bruta, o desmatamento aumentou 200% na Amazônia, mas pelo Prodes, caiu 18%. Isso sempre mostra a disparidade com os dados do Imazon. E agora em 2014, a margem de erro do Imazon foi de 111%. No ano passado, quando o Prodes apontou uma alta de 28%, o Imazon apontou 92%, tendo uma margem de erro ainda maior, chegando a 228%”, atacou Zanardi. No período 2004-2014, a redução total foi de 83%.

Em novembro, o Imazon apontou um aumento do desmatamento na Amazônia em 467% em relação a outubro tendo as florestas degradas aumentado 1.070% em tamanho, num comparativo do ano anterior. Em outubro, o relatório do Imazon, referente a setembro, foi ainda mais alarmante: aumento de 290% do desmatamento e floresta degradada aumentando em 3.797% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Fonte: ORMNews.

Publicado por Folha do Progresso fone para contato Cel. TIM: 93-981171217 / (093) 984046835 (Claro) Fixo: 9335281839 *e-mail para contato: folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br

3 thoughts on “Pasto prevalece em áreas desmatadas no Pará, aponta Inpe

  • 31 de dezembro de 2014 at 10:47
    Permalink

    quer ver uma prova? já que a PF e eficiente em descobrir todo tipo de falcatrua, pq náo investiga o que acontece dentro do IBAMA, rapaz a vaca do IBAMA e gorda, tudo bem quem vive de explorar a floresta e crime sim pq hoje e lei,o governo tem interece em manter a mata de pe.faturam milhões c a venda de creditos de carbono em outros paises,por outro lado o IBAMA eu náo falo em todos,mais tem muito neguinho faturando alto em cima de fazendeiro,madeireiro,garimpeiro e propina p todo lado, ae parceiro como he que esses carniceiros , náo querem ficar plantados nessa região., eles nos chamam de criminosos,mais eles são pior que isso são bandidos e e nada se pode fazer afinal eles tem a lei p proteger já nos só deus”

  • 1 de dezembro de 2014 at 21:13
    Permalink

    Verdade, acho estranho que tem um diretor do IBAMA de Brasília que não sai de novo progresso e castelo dos sonhos… fazendo o que???? tem que investigar…

  • 1 de dezembro de 2014 at 21:07
    Permalink

    O Ibama esconde os verdadeiros números exatamente pq Brasília é conivente com os desmatadores. Não acredito que o governo federal não tem estrutura para aplicar as leis e uma das medidas seria apreender todo o gado criado em área embargada. Diretores do IBAMA sabem o que tem que fazer e nõ fazem pq estão comprometidos.

%d blogueiros gostam disto: