PF investiga esquema criminoso que causou R$ 897 milhões em danos ambientais

image_pdfimage_print

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (4), em cinco cidades do Pará e em outros dois Estados, a Operação Anhangá Arará, que visa desarticular uma quadrilha responsável pela extração ilegal de madeira na Terra Indígena Cachoeira Seca, no oeste paraense. A estivativa é que o esquema criminoso tenha causado cerca de R$ 897 milhões em danos ambientais.

A operação foi realizada nos municípios de Uruará, Placas, Rurópolis, Santarém e no distrito de Castelo dos Sonhos, em Altarmia, todos no oeste paraense, além Porto União, em Santa Catarina, e Curitiba e União da Vitória, no Paraná, onde cerca de 40 policiais federais foram cumpri 10 Mandados de ConduçãoCoercitiva, 11 Mandados de Sequestro de Bens e Valores, 06 Mandados de Busca e Apreensão emempresas e casas pertencentes aos investigados e a suspensão das atividades empresariais dasempresas envolvidas no esquema criminoso.

A investigação começou após relatório da Operação Cachoeira Seca, realizada peloIBAMA, onde apontou que o local estava sendo alvo de exploração ilegal de madeirapor madeireiras clandestinas. Durante a apuração do caso, foi identificado um grupo empresarial de uma família, cujo o patriarca era o responsável pela coordenação da extração ilegal demadeira em áreas protegidas e por escoar a madeira para as empresas do grupo familiar.

O grupo fraudava créditos florestais, além de utilizar Planos de Manejo Florestal de “fachada”. Após isso, a madeira era transmitida entre empresas do grupo até ser exportada por meio de portos de Belém e do Sul do Brasil, como os constantes na cidade de Itajaí e Paranaguá. O destino da madeira abrange os continentes Americano (EUA, Panamá, Argentina), Europa (França, Reino Unido, Alemanha) e Ásia (Emirados Árabes Unidos, Coreia do Sul).

O nome Anhangá Arara significa proteção à morada dos índios, afetada pelas ações dosinvestigados. Anhangá é o espírito protetor da natureza, figura pertencente ao folclore indígena,enquanto Arara são os povos indígenas que habitam a Terra Indígena Cachoeira Seca,encontrando nela uma nova morada após quase serem extintos no Séc.XX.

Fonte: DOL, com informações da PF.
“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro)   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: