PF mira lotéricas de políticos sob suspeita de lavagem de propinas

image_pdfimage_print

Estão sob suspeita transações realizadas desde 2013 que ultrapassam R$ 14 milhões  – (Foto:Conteúdo Estadão)

A Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União deflagraram na manhã desta quarta, 11, a Operação Mapa da Mina para investigar o uso de casas lotéricas de políticos para lavagem de dinheiro decorrente de crimes de desvio de verba pública e de corrupção. Estão sob suspeita transações realizadas desde 2013 que ultrapassam R$ 14 milhões.

Cerca de 100 agentes da PF e auditores da CGU cumprem 25 mandados de busca e apreensão na Região Metropolitana de Recife (23), em Caruaru (1) e em Floresta (1). Os investigados podem responder pelos crimes de lavagem de dinheiro, fraudes à licitações, peculato e corrupção.Segundo a PF, a investigação teve início em abril de 2018 com a deflagração da operação Decimus. Na ocasião, os investigadores identificaram que um grupo de empresas comandado por um oficial da Polícia Militar de Pernambuco e com atuação na área de vigilância e de serviços gerais, ‘teve crescimento econômico vertiginoso a partir de 2013’.

Tal expansão teria se dado em razão de contratos com entidades públicas municipais, estaduais e federais, mediante dispensas de licitação suspeitas ou processos licitatórios direcionados, diz a corporação.De 2013 até hoje, duas das empresas do grupo já receberam aproximadamente R$ 175 milhões dos cofres públicos – R$ 54 milhões de entidades municipais, R$ 105 milhões de entidades estaduais e R$ 16 milhões de entidades federais.A PF aponta que há indícios de que os agentes políticos investigados atuam junto a dirigentes de órgãos públicos, com o propósito de direcionar licitações ou sua dispensa em favor de empresas do grupo alvo da primeira ofensiva.

“Apurou-se que as firmas beneficiadas com os contratos públicos milionários – ou outras empresas a elas coligadas – transferem dinheiro rotineiramente para cinco casas lotéricas de propriedade dos agentes políticos envolvidos, mantidas apenas para viabilizar o processo de lavagem de dinheiro, já que as lotéricas não geram lucros reais para seus sócios”, explica a corporação.

Por:Agência Estado

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

 

 

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: