PM executado foi acusado de integrar milícia comandada por cabo Pet

image_pdfimage_print

(Foto: Reprodução) – O PM reformado Valdomiro Oliveira Barros morreu após ser baleado na noite desta terça-feira (27) no bairro da Condor, em Belém.

A morte do policial militar Valdomiro Oliveira de Barros, executado a tiros na noite desta terça-feira (27), pode fazer parte de um quebra cabeças muito mais complexo do que um caso de homicídio ou latrocínio.

O policial militar executado no bairro do Condor foi um dos acusados pela execução de Gleydson Gomes em 2014. Na época o caso levantou a suspeita de que Valdomiro Oliveira de Barros, o Cañanas, seria membro de uma milícia comandada pelo cabo Pet (executado em 2014) no Guamá, e teria participado da execução de Gleydson a mando de seu líder, que era desafeto de Gleydson.

Valdomiro e outros dois policiais militares, José Queiroz, conhecido por “Cilinho”, e Josias Siqueira Conceição, conhecido por “Olho de Vidro e Galo Cego”, foram absolvidos por falta de provas em 2016.

Apesar das suspeitas de que a execução de Valdomiro tenha sido uma vingança de criminosos ligados ao bando de Gleydson, a investigação do crime está apenas na fase inicial e qualquer confirmação será prematura.

A História por Trás do Crime

Gleydson Gomes, de 37 anos, foi executado com 25 tiros por bandidos encapuzados na madrugada do dia 19 de janeiro de 2014, na passagem Joana Dar’c, Bairro Guamá.

A viúva e um tio da vítima acusaram inicialmente um grupo de PMs (Valdomiro era um deles) pela morte de Gleydson, entretanto, voltaram atrás às vésperas do julgamento em 2016 e inocentaram os réus ao deporem em juízo. Os demais depoentes ouvidos foram trazidos pela defesa dos réus.

A promotoria decidiu aplicar o princípio jurídico do in dúbio pro reo, da presunção da inocência que prevê a absolvição do réu em caso de dúvida.

A Acusação

Consta da acusação que os PMs seriam integrantes de um grupo de milícia, cujo “único objetivo seria executar bandidos”, ou qualquer outro que se colocasse no caminho dos integrantes do grupo.

A motivação do crime teria sido um desentendimento entre Gleydson e Antonio Marques Figueiredo, conhecido por Pet, cinco anos antes do crime. O dois travaram uma briga em bar que acabou com Pet baleado em uma das pernas.

Na ocasião, o Cabo Pet teria aplicado uma coronhadda na cabeça de Gleydson, que estaria no banheiro do estabelecimento cheirando cocaína. Conforme apurou a delegada Ione Coelho, Pet teria sido desarmado e baleado na perna pela vítima com a própria arma. O tiro lhe deixou com dificuldade de locomoção e impossibilitado para o trabalho policial, e cabo Pet prometeu vingança.

Consta, ainda, no inquérito policial que Gleydson passou a sofrer ameaças constantemente pelo grupo de Pet. A vítima chegou a registrar vários boletins de ocorrência por ter sofrido tentativa de homicídio.

(DOL)

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO no (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: