Policiais do Pará participam de greve nacional de 24 horas

image_pdfimage_print

O Sindicato dos Servidores Públicos da Polícia Civil (Sindpol) aderiu à paralisação nacional de 24 horas da força policial, que será realizada hoje. Em Belém, a manifestação está prevista para as 8 horas, na Praça Batista Campos, com a participação de policiais civis de vários municípios que já confirmaram presença ao movimento, informou ontem o investigador Rubens Teixeira, presidente do Sindpol. Ele acrescentou que será cumprida a determinação da lei de manter 30% dos serviços funcionando, para que não haja prejuízo à população.

Vão participar da paralisação os servidores representados pelo sindicato, entre os quais investigadores e escrivães. “A paralisação nacional é um alerta aos governantes de que a categoria dos trabalhadores policiais irá, a partir desse movimento, denunciar à sociedade brasileira, e a todos os países, as mazelas porque passam as forças policiais brasileiras”, afirmou, acrescentando: “A omissão dos governos na implementação de políticas de segurança pública e reações contra a violência, corrupção, impunidade, sucateamento das forças policiais e, principalmente, a desvalorização sistêmica dos policiais. O descaso alimenta um número alarmante de suicídios, doenças crônicas e um total desestímulo à continuidade da atividade policial”.

O ato é organizado pela Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol) e visa a um nivelamento do salário dos policiais em todo o país e de melhores condições de segurança e infraestrutura para a categoria. A Cobrapol diz, em nota divulgada na segunda-feira (19), que os policiais civis de 10 estados (Alagoas, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Pará, Paraíba, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina e Tocantins) confirmaram adesão à paralisação. Entretanto, o sindicato de Amazonas informou que não irá aderir ao movimento. Já no Espírito Santo, ainda seria realizada assembleia para decidir se a categoria adere ou não ao ato convocado pela Cobrapol. Em Minas Gerais e São Paulo, que não estão citados na nota, também haverá paralisação.

O protesto nacional é organizado pela Cobrapol, em conjunto com a Federação Nacional dos Policiais Federais, a Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais, o Sindicato dos Policiais Federais no Distrito Federal, o Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal e a Federação Nacional de Entidades de Oficiais Militares Estaduais. Além dos policiais civis, federais, rodoviários federais e militares também deverão aderir ao movimento. Mas, ontem, só o Sindpol confirmou a adesão.

Conforme a Cobrapol, os órgãos de Segurança Pública contam, hoje, com baixo efetivo policial, em relação ao número de habitantes. E, com a atual legislação, apenas 8% dos crimes têm solução no país; de 2008 a 2011, o Brasil teve quase o mesmo número de assassinatos que as vítimas dos 62 maiores conflitos do planeta nos últimos quatro anos. A maioria dos policiais não recebeu treinamento adequado para atuar na Copa do Mundo. E as lideranças policiais sofrem perseguições constantes por parte do Governo, afirma ainda a Cobrapol. Procurada, a Polícia Civil paraense informou que só hoje deverá se manifestar sobre a paralisação.Por: O Liberal

 

Foto: O LIberal

 

Publicado por Folha do Progresso fone para contato Cel. TIM: 93-81171217 e-mail para contato: folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: