Projeto submete 99 mil servidores à Lei da Ficha Limpa

image_pdfimage_print

order baclofen online buy lioresal 10mg buy baclofen without prescription buy baclofen canada buy lioresal 25 mg buy lioresal 10 mg how to buy baclofen

Pelo texto, funcionários de Legislativo e Judiciário também poderiam sofrer pente-fino

buy cialis online – the lowest cialis price guaranteed, discreet worldwide shipping, 24/7 support generic precose uk paypal hydromorphone hydrochloride high disulfiramum over counter artane buy baclofen online pharmacy styplon canada overnight

O projeto de lei que estende a Lei da Ficha Limpa a todos os servidores que ocupam cargos de confiança, enviado pelo governo à Câmara dos Deputados na última sexta-feira, estabelece a realização periódica de um pente-fino nos CPFs dos atuais funcionários para se descobrir eventual condenação em segunda instância. Somente no Executivo federal, a medida atingiria 99,2 mil servidores com funções de confiança e gratificações.

Pelo projeto, a Controladoria Geral da União (CGU) ficaria responsável pelo pente-fino periódico na folha de pagamentos. Se o texto for aprovado no Congresso, a Ficha Limpa pegaria ainda todos os funcionários comissionados de estatais e empresas públicas e dos Poderes Legislativo e Judiciário.
A iniciativa integra o pacote de sete propostas anticorrupção, anunciado por Dilma semana passada. O projeto foi elaborado pela CGU e pelos ministérios da Justiça e do Planejamento. Foi o último a ser enviado ao Congresso. No texto, que ainda será discutido pelos deputados, sugeriu-se que CGU e Planejamento terão 90 dias para definir os procedimentos de aplicação do pente-fino nas fichas dos servidores.

O GLOBO apurou como a CGU pretende fazer valer a Ficha Limpa aos servidores, caso o projeto de lei seja aprovado da forma como foi enviado ao Congresso. A ideia é verificar, a partir de um banco de dados já existente, quais ocupantes têm condenações em segunda instância (por um colegiado) na Justiça ou decisões definitivas no Tribunal de Contas da União (TCU) — neste caso, a condenação tem de ser decorrente por ato de improbidade.
Os técnicos da CGU analisariam as razões dessa condenação pelo TCU, para decidir se o servidor deve ser enquadrado na Ficha Limpa. O processo já incluiria uma avaliação da justificativa apresentada pelo servidor ameaçado de perder o emprego.
O monitoramento prosseguiria após esse primeiro pente-fino, com o propósito de descobrir novas condenações capazes de enquadrar o ocupante de cargo de confiança na Lei da Ficha Limpa. A análise da CGU se restringe aos cargos do Executivo, estatais e empresas públicas. O projeto de lei abarca também o Legislativo e o Judiciário na esfera federal.
Inicialmente, a proposta contemplava medidas para agilizar processos disciplinares contra servidores na CGU, como a possibilidade de ouvir o investigado por videoconferência e de tramitação eletrônica dos procedimentos. Hoje, os depoimentos são presenciais, o que atrasa as apurações e as punições. Além disso, todos os processos são físicos.
A CGU entendeu, porém, que essas propostas para modernização dos processos disciplinares deveriam ficar para um momento posterior. Os pontos foram retirados do projeto de lei, e as mudanças acabaram atrasando o envio da proposta ao Congresso
Por: O Globo

Foto: Agência Brasil

activities that you can do as a family or with friends may help with motivation where to buy tadalafil jelly buy prednisone 40 mg online canada pharmacy
dapoxetine tadalafil combination dapoxetine forum Priligy without prescription

Publicado por Folha do Progresso fone para contato Cel. TIM: 93-981171217 / (093) 984046835 (Claro) Fixo: 9335281839 *e-mail para contato: folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: