Governo amplia leitos na região oeste e assina convênio para análise de exames de Covid-19

[Foto: Bruno Cecim / Ag.Pará] – Vinte novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) vão ser somados à rede hospitalar da região oeste do Pará.

O anúncio foi realizado, nesta quinta-feira (28), pelo governador Helder Barbalho durante agenda em Santarém.O reforço é uma das ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus no Estado.

“Aqui em Santarém a estratégia é voltada a região oeste. Estamos com 53 leitos de UTI e avançando para mais 20 leitos nos próximos dias. Portanto, chegaremos a 73 leitos deste tipo na cidade. Já na próxima semana, reforçaremos a estrutura hospitalar com a entrega do Hospital Regional do Tapajós em Itaituba com 164 leitos”, informou o governador Helder Barbalho.

Durante a agenda oficial realizada, Helder acompanhou os atendimentos de saúde aos pacientes de Covid-19 que são realizados no Hospital Regional do Baixo Amazonas do Pará (HRBA) onde foram assinados dois importantes convênios médicos. O primeiro garantirá a contratação de uma UTI Móvel para o deslocamento de pacientes. O segundo documento permitirá que exames de pacientes de Covid-19 sejam analisados em Santarém.
helder3 Foto: Bruno Cecim / Ag.Pará

“Levando em conta as peculiaridades e as distâncias da região, estamos com um helicóptero UTI e autorizei a contratação de uma ambulância UTI para também fortalecer o transporte viário. O laboratório é uma demanda importante que há muito tempo se aguardava, além da permissão dos investimentos para que não haja necessidade dos exames serem analisados em Belém. Evitamos assim, a centralização dos atendimentos na capital, o que acarreta custo logístico e tempo. Com esses investimentos, teremos diagnóstico mais rápido, qualidade e informações para fortalecer as estratégias em saúde para o enfrentamento da Covid-19”, analisou Helder.

Acompanhado pelo secretário de integração regional do oeste do Pará, Henderson Pinto; do prefeito do município, Nélio Aguiar; e de outros vereadores da região, o governador do Pará avaliou as instalações do Hospital de Campanha, conversou com os profissionais de saúde e ouviu pacientes.

Para Henderson Pinto, “o governo do Estado está montando as estruturas necessárias para oferecer a estrutura adequada ao atendimento das pessoas com o coronavírus e dando apoio para que os municípios adquiram medicamentos”, avaliou.

Reforço à saúde da região

O governo do Estado enviou, no início desta semana, 18 novos respiradores que reforçaram o atendimento aos pacientes com Covid-19 na região. Agora, o município possui 53 leitos exclusivos para o tratamento do novo coronavírus.
helder4Foto: Bruno Cecim / Ag.Pará

O Hospital de Campanha recebeu 10 destes equipamentos. Já o Hospital Regional do Baixo Amazonas, que é referência para toda a região do oeste do Pará, recebeu o reforço de oito respiradores e agora conta com 35 leitos de UTI exclusivos para pacientes da Covid-19.

A Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará registrou em Santarém, até as 13h de hoje, 370 casos de Covid-19, 20 óbitos foram causados pela doença, que apresenta uma taxa de letalidade de 5.41%.

Sobre o Hospital de Campanha

Em funcionamento há pouco mais de um mês, o Hospital de Campanha de Santarém tem 120 leitos, sendo 110 clínicos e 10 de estabilização. Até a manhã da quarta-feira (27), 106 pessoas receberam alta. Parte da equipe multiprofissional que compõe o atendimento no Hospital é formada por médicos que adiantaram a formatura pela Universidade do Estado do Pará.
helder5Foto: Bruno Cecim / Ag.ParáLuiz

Chaves, médico recém-formado, entrou no mercado profissional já com o objetivo de reforçar o enfrentamento ao novo coronavírus. “Nós estamos atendendo aqui com toda atenção. Nossa equipe vem batalhando para que os pacientes sejam atendidos da melhor forma, então eu digo para todos: se possível, fiquem em casa. Por mim, por quem você ama e principalmente por você”, reforçou o médico.

Hospital Regional do Baixo Amazonas do Pará

Trinta municípios fazem parte da rede de atenção e tratamento da Covid-19, sendo 14 no Baixo Amazonas, seis no Tapajós e nove no Xingu. Até a tarde desta quinta-feira (28), 18 pacientes foram transportados no helicóptero médico que atende a região.

Cidades atendidas pelo HRBA: Alenquer, Almeirim, Belterra, Curuá, Faro, Juruti, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Prainha, Santarém, Mojuí dos Campos, Terra Santa, Aveiro, Itaituba, Jacareacanga, Novo Progresso, Rurópolis, Trairão, Placas, Altamira, Anapu, Brasil Novo, Medicilândia, Pacajá, Placas, Porto de Moz, Senador José Porfírio, Uruará e Vitória do Xingu.

Por Ronan Frias (COHAB)

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br   e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/censo-escolar-2020-sofre-alteracao-no-calendario-por-conta-da-pandemia/

 

 

 




Juíza proibi extração de madeira e manda fechar compra de ouro de Novo Progresso e outros 25 municípios da Amazônia

Em Novo Progresso na manhã desta quinta-feira(28), as compras de ouro permaneceram fechadas.

Trata-se de tutela antecipada requerida em caráter antecedente, ajuizada pelo Ministério Público Federal em face da União, IBAMA, ICMBio e FUNAI, por meio da qual pretende a implementação de ações de comando e controle para contenção de agentes infratores ambientais, acatada pela Juíza federal JAIZA MARIA PINTO FRAXE de Manaus.

Segundo a inicial, a partir de 2012, consolidou-se uma tendência de alta tanto do desmatamento na Amazônia, bem como de outros ilícitos ambientais, tais como o garimpo ilegal de ouro.Sem título

Conforme decisão do processo  1007104-63.2020.4.01.3200    da 7° Vara Federal Ambiental e Agrária da SJAM, informamos que está impedida toda e qualquer movimentação de madeira no sistema Sinaflor/DOF e compra de ouro nos seguintes municípios:

Pará: Novo Progresso, Pacajá, Rurópolis, São Félix do Xingu, Senador José Porfírio, Altamira, Anapu, Itaituba, Trairão e Uruara.

Amazonas: Apuí, Boca do Acre, Manicoré e Humaitá.
Mato Grosso: Alta Floresta, Apiacás, Aripuanã, Colniza, Juína, Nova Bandeirantes, Paranaíta e Sinop.
Rondônia: Buritis, Cujubim, Nova Mamoré e Porto Velho.

Conforme decisão judicial, a medida deve ser cumprida nos municípios integrantes dos hot spots de ilícitos ambientais durante todo o período de incidência da pandemia de Covid-19, considerando que a extração de madeira  e compra de ouro não é atividade essencial e que há risco de dano irreversível pela proliferação iminente do novo coronavírus às populações amazônicas.

A referida Decisão Judicial fora recepcionada pela Procuradoria Federal Especializada do Ibama na manhã do dia 23 de maio de 2020 sendo de prontidão cientificadas as área técnicas e administrativas do órgão para efetiva execução.

Em decorrência dos fatos a Advocacia Geral da União anunciou que vai protocolar requerimento nas instâncias judiciárias para suspensão dos efeitos que afetam diretamente as atividades legalizadas do setor produtivo madeireiro,garimpeiro em consonância com a Política Nacional de Meio Ambiente – Lei 6.938/1981, e demais instrumentos legais que priorizam o uso sustentável da biodiversidade e sua proteção.Leia a decisão AQUI

Por:Adecio Piran para o JORNAL FOLHA DO PROGRESSO
Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com e/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/ministerio-da-educacao-destinara-livros-didaticos-a-alunos-da-educacao-infantil/

 




Vaqueiro é morto a tiros em Anapu, sudoeste do Pará

(Foto:Reprodução) – A motivação do crime e suspeitos ainda não foram identificados.

Um homem, identificado como Jociel Santos da Silva, foi morto a tiros em frente de casa em Anapu, sudoeste do Pará. A vítima de 37 anos foi atingida por disparos na cabeça.

De acordo com a Polícia Civil, a equipe policial foi acionada por vizinhos e ao chegar no local constataram que a vítima já estava morta. Testemunhas relataram que Jociel era vaqueiro, tinha costume de ingerir bebida alcoólica e arranjar confusão.

O Instituto Médico Legal (IML) de Altamira foi acionado para remover o corpo. A esposa de Jociel estava em Marabá quando o crime foi cometido.

A motivação do crime e suspeitos ainda não foram identificados. A principal hipótese é a de vingança pessoal.

Por G1 PA — Belém

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br   e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/professores-se-sentem-despreparados-para-aulas-ead/




Norte Energia implanta 4º aterro sanitário no sudoeste paraense

Desde o início da construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte, a Norte Energia, empresa responsável pelo empreendimento, vem fazendo importantes contribuições para o desenvolvimento sustentável dos municípios próximos à usina.

Dentre elas, a implantação de aterros sanitários para eliminar o uso de antigos lixões na região.

Três municípios já foram beneficiados: Brasil Novo, Altamira e Vitória do Xingu. Neste ano, chegou a vez de Anapu receber um aterro, possibilitando a destinação adequada ao lixo produzido por uma população de cerca de 28 mil habitantes.

O engenheiro ambiental Bruno Bahiana, líder de projetos socioambientais da empresa, destaca que, com a construção dos aterros sanitários, a Norte Energia contribui para que os municípios estejam em conformidade com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/10).

“Além do atendimento à legislação ambiental, a implantação de um aterro sanitário traz diversos benefícios para a região”, explica o engenheiro ambiental. “Evita a contaminação do solo e da água, assim como a emissão de gases. Também diminui o número de vetores de doenças na localidade e amplia a oportunidade de comercialização do material que pode ser reaproveitado”, acrescenta.

Para o secretário de Meio Ambiente de Anapu, Whandeilon Santos, com o aterro, Anapu será incluído no mapa dos municípios brasileiros comprometidos com uma gestão ambiental mais eficiente. “Teremos, ainda, oportunidade de criar atividades para o reaproveitamento do lixo reciclável, o que também gera emprego e renda, muda o olhar da população sobre o descarte do lixo e minimiza o impacto ambiental”, acrescenta.

O aterro implantado pela Norte Energia segue os melhores padrões estabelecidos pela legislação e conta com infraestrutura completa, o que inclui galpão para triagem dos resíduos, guarita, lava jato e duas valas, sendo uma para lixo doméstico e outra para lixo hospitalar, além de veículos e equipamentos específicos para a atividade. Com investimentos na ordem de R$ 36 milhões, a construção dos aterros sanitários era uma das ações previstas no licenciamento ambiental de Belo Monte.

energiaAterro de Brasil Novo foi construído pela Norte Energia  (Foto:Betto Silva / Norte Energia)

energa2Aterro Sanitário de Altamira também é da Norte Energia (Foto:Divulgação)

AÇÕES DA NORTE ENERGIA

• Os investimentos na construção de aterros sanitários nos quatro municípios influenciados pela UHE Belo Monte ultrapassam 30 milhões de reais;

• Além dos aterros, os municípios também recebem infraestrutura para reciclagem;

• Em Anapu, por exemplo, está prevista a entrega de itens como esteira de triagem e de elevação; prensa hidráulica; lavadora de alta pressão; balança rodoviária; caminhão coletor de lixo; trator de esteira e pá carregadeira.

Por:João Thiago Dias

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br   e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/isencao-enem-2020-foto-passa-a-ser-obrigatoria-para-solicitacao/

 

 

 




Segup e Ibama assinam acordo, após senador do PA pedir fim do apoio da PM às fiscalizações ambientais

Ibama, PM e Bombeiros interditam dois postos de combustível clandestinos no Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

Senador Zequinha Marinho (PSC-PA) xingou os agentes ambientais de “bandidos e malandros”, depois da operação que apreendeu combustível que seria utilizado para desmatar áreas protegidas no Pará.

Governo do PA e Ibama assinam termo de cooperação em fiscalizações ambientais

Um termo de cooperação foi assinado nesta terça (28), em Belém, entre a Secretaria de Segurança Pública do Pará (Segup) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) para ações de fiscalização ambiental no estado. O acordo é feito uma semana depois que o senador Zequinha Marinho (PSC-PA) fez ataques ao Ibama e disse que iria pedir ao Governo que a Polícia Militar do Pará não apoiasse mais a ações do instituto.

O ponto principal do termo é fortalecer as fiscalizações de proteção ambiental no estado e criar respaldo jurídico para policiais militares que são destinados a atuar nas ações. O termo vale por doze meses e pode ser prorrogado por mais um ano, prevendo ainda que todo o material apreendido de interesse do Estado seja doado para a Segup, como os cinco mil litros de combustível clandestino que seriam utilizados em ações de desmatamento ilegal na Terra Indígena Ituna Itatá, na região sudeste. A área teve mais de mil hectares devastados somente em janeiro deste ano, segundo o Ibama.

A cooperação também determina que as diárias dos policiais militares em operações sejam pagas pelo Ibama. O titular da Segup, Uálame Machado, disse que a “PM apoia todos os órgãos de fiscalização, seja da área ambiental, fundiária, então é preciso de um cronograma para que a corporação atue em conjunto com essas forças”.

O presidente do Ibama, Eduardo Bim, não deu entrevista e também não comentou os dados sobre desmatamento na Amazônia em 2019, que cresceu 67% nos últimos cinco meses do ano, comparado a 2018. Os dados foram divulgados nesta terça pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

Segundo o Imazon, a área florestal desmatada foi de 6,2 mil quilômetros quadrados, de agosto a dezembro de 2019. O levantamento mostra, ainda, que o Pará foi o estado com maior área de desmatamento da região, com 53% do total. “Nesse período, metade dos alertas de desmatamento detectados ocorreram em áreas privadas e o restante dos alertas ficam distribuídas em assentamentos e áreas protegidas”, explicou o analista Antônio Fonseca.

O diretor de proteção ambiental do Ibama, Olivaldi Azevedo, também não quis comentar sobre os xingamentos feitos pelo senador Marinho. Sobre os índices de desmatamento, Azevedo disse que “o Ibama tem agido dentro das suas forças para diminuir, mas não é tão simples, nem se trata só de controle, e sim de outras políticas”.

Entenda o caso

Ibama, PM e Bombeiros interditam dois postos de combustível clandestinos no Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

A operação do Ibama de combate ao desmatamento no Pará já dura cerca de duas semanas. Cinco mil litros de combustíveis foram apreendidos em postos clandestinos em Vila Mocotó, na região Assurini. O combustível, segundo as investigações, abasteceriam maquinários utilizados para desmatamento ilegal na região sudoeste.

Moradores de Vila Mocotó bloquearam os agentes ambientais, que estavam acompanhados de policiais militares e bombeiros. Os agentes conseguiram sair da região e levar o material apreendido até Altamira.

Em seguida, as ações fiscalização ambiental chegaram à TI Ituna Itatá, onde os agentes encontraram áreas de desmatamento ilegal.

A operação recebeu críticas do senador Zequinha Marinho (PSC-PA), que xingou os agentes de “servidores bandidos e malandros” e os acusou de queimar casas e carros em propriedades irregulares dentro da terra indígena, protegida por lei.

Senador Zequinha Marinho (PSC) xinga agentes do Ibama, após fiscalizações no Pará
Senador Zequinha Marinho (PSC) xinga agentes do Ibama, após fiscalizações no Pará

Para o Ibama, as declarações do senador “acabam legitimando os crimes ambientais” e prejudicam as ações de fiscalização ambiental.

Na TI Koatinemo, 76 hectares de desmatamento foram constatados somente neste mês de janeiro pelos agentes do Ibama.

Ainda segundo o instituto, a operação tenta frear os altos índices de devastação na Amazônia. O Pará chegou a liderar o ranking do desmatamento com 58% da área total desmatada, em novembro de 2019, em seguida vem Mato Grosso (16%), Rondônia (9%), Amazonas (8%), Acre (4%), Roraima (3%), Amapá (1%) e Tocantins (1%).

Os principais alvos de desmatamento no Pará são as terras indígenas, de acordo com o Greenpeace. Um levantamento da organização mostra que a TI Ituna Itatá teve 94% do território autodeclarado por produtores a partir de Cadastros Ambientais. Para a organização, os mais de 200 registros mostram que o território estaria sendo ocupado por grileiros que se autodenominam donos de cada pedaço de terra.
Terra Indígena Ituna-Itatá, no PA, é a mais desmatada da Amazônia, segundo INPE. — Foto: Reprodução / Jornal Nacional

Terra Indígena Ituna-Itatá, no PA, é a mais desmatada da Amazônia, segundo INPE. — Foto: Reprodução / Jornal Nacional
Terra Indígena Ituna-Itatá, no PA, é a mais desmatada da Amazônia, segundo INPE. — Foto: Reprodução / Jornal Nacional

Por G1 PA — Belém
28/01/2020 22h17

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br e/ou e-mail: adeciopiran_12345@hotmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/apesar-da-suspensao-do-prouni-estudantes-podem-consultar-bolsas-disponiveis/

 




Senador Zequinha Marinho (PSC) xinga agentes do Ibama e os acusa, sem provas, de queimar carros e casas no Pará

(Foto:Reproduçã0) – Em operação no sudoeste do estado, agentes ambientais com apoio da PM e Bombeiros apreenderam 5 mil litros de combustível clandestino.

No dia, moradores revoltados queimaram ponte para bloquear a fiscalização.

O senador Zequinha Marinho (PSC-PA) apareceu em um vídeo xingando agentes do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) de “servidores bandidos e malandros”, após operação que apreendeu cerca de 5 mil litros de combustível clandestino na Vila Mocotó, da região Assurini, entre Senador José Porfírio e Anapu, no sudoeste do Pará.

Sem apresentar provas, Marinho também acusou os agentes de queimar carros e casas durante a ação, que teve apoio da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros (CBMPA). O G1 solicitou posicionamento do Ibama, da PM e do CBMPA.

Segundo o Ibama, o combustível apreendido era usado para abastecer maquinários usados no desmatamento ilegal. O material apreendido foi levado para Altamira. O Corpo de Bombeiros informou que os postos clandestinos também apresentavam riscos à população. A operação ainda constatou mais de mil hectares de desmatamento ilegal em terra indígena na região.

Após a apreensão do combustível, moradores ficaram revoltados e bloquearam os agentes. Estradas foram bloqueadas, pontes foram incendiadas e serras e a energia elétrica foi cortada com a derrubada de árvores.

Ainda no vídeo, o senador Marinho afirmou que a operação deveria ser suspensa e que a PM não deveria dar apoio aos agentes ambientais. Pelas redes sociais, ele afirmou que considera as ações como “truculentas” e disse que reuniu com o presidente do Ibama sobre o assunto.

A operação

ponte
Ponte é incendiada por moradores para impedir agentes do Ibama no Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

No último dia 16 de janeiro, a operação de fiscalização do Ibama apreendeu cerca de cinco mil litros de combustíveis em dois postos clandestinos. Revoltados com a apreensão, moradores bloquearam a saída dos agentes, fechando a única rodovia de acesso à comunidade. Árvores foram derrubadas e pontes foram incendiadas e serradas pela população.

Durante as ações, os agentes também constataram que mais de mil hectares foram desmatados na Terra Indígena Ituna Itatá somente neste mês de janeiro. A área indígena foi a mais devastada em 2019, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e registrou aumento de 700% no desmatamento entre 2018 e 2019.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), grileiros que se apossaram das terras indígenas protegidas por lei já começaram a criação de gado de forma ilegal.

ibama
Ibama, PM e Bombeiros interditam dois postos de combustível clandestinos no Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

Por Taymã Carneiro, G1 PA — Belém

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br e/ou e-mail: adeciopiran_12345@hotmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/saiba-como-estudar-sem-a-nota-do-enem/

 

 

 




Altamira recebe 20 mil mudas de espécies nativas para plantio

Ação é resultado de uma parceria entre o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio) e uma ONG internacional que vai reflorestar 20 hectares de área de influência da Rodovia Transamazônica.
Altamira recebe 20 mil mudas de espécies nativas para plantio — Foto: Pedro Guerreiro / Agência Pará

Foram plantadas 20 mil mudas nativas do bioma amazônico em uma área rural em recuperação de Altamira, sudoeste do Pará, além de garantir a implantação do sistema agroflorestal na área. Entre as espécies foram plantados pés de açaí, ipê, cacau, mogno e cumaru. O evento foi realizado no sábado (18). Com o plantio, cerca de 40 famílias de agricultores serão contempladas com a geração de emprego e renda.

A ação é resultado da parceria entre o Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio) e a ONG norte-americana 8 Billion Trees, que vai reflorestar 20 hectares de área de influência da Rodovia Transamazônica, próximo a Altamira.

O objetivo é promover a recomposição florestal de áreas alteradas no Pará. O Ideflor-bio realiza esse trabalho por meio do Projeto Prosaf, com a implantação de Sistemas Agroflorestais em propriedades rurais. A ação já está beneficiando agricultores familiares em 74 municípios do Pará.

A implantação do sistema contribui fortemente com a produção de cacau no Estado. Atualmente o Pará é responsável por 52% da produção brasileira de cacau e tem a maior produtividade do mundo, com 911 quilos por hectare, enquanto a média nacional é de 500 quilos por hectare. O principal polo fica no sudoeste do Estado, com destaque para os municípios de Medicilândia, Uruará, Altamira, Placas, Brasil Novo, Novo Repartimento, Anapu, Pacajá, Vitória do Xingu e Rurópolis.
Por G1 PA — Belém
19/01/2020 13h24
Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br e/ou e-mail: adeciopiran_12345@hotmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/18-de-janeiro-dia-do-esteticista-e-comemorado-em-todo-brasil/

 




Agentes do Ibama conseguem retornar de operação no PA, após serem bloqueados por população

Árvores são derrubadas para impedir agentes do Ibama e atingem fiação elétrica. — Foto: Reprodução / TV Liberal

5 mil litros de combustível clandestino foram apreendidos, com apoio da PM e Bombeiros. Material seria usado para desmatamento na região Assuriní, entre Senador José Porfírio e Anapu, sudoeste do estado.

Quatorze agentes ambientais, da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros já conseguiram sair da comunidade Vila Mocotó, que fica na região Assuriní, entre Senador José Porfírio e Anapu, sudoeste do Pará. Os agentes ficaram sem poder retornar da região devido a protesto de moradores, após operação que interditou dois postos de combustíveis clandestinos.

LEIA MAIS:Ponte é destruída e estrada é fechada para impedir agentes do Ibama, PM e Bombeiros de retornar de operação no PA

Segundo as investigações, o combustível seria usado para ações de desmatamento na região. Não houve prisão. Cerca de cinco mil litros foram apreendidos, segundo o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama). Dois caminhões-tanques foram utilizados para levar o material até Altamira.

Durante as manifestações, duas pontes foram destruídas. Uma delas foi serrada e a outra incendiada pelos moradores. Estradas que dão acesso ao distrito foram interditadas e árvores derrubadas, atingindo a fiação elétrica que abastece o distrito.

Ponte é incendiada para impedir agentes do Ibama no Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal
Ponte é incendiada para impedir agentes do Ibama no Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

 Ponte é serrada por manifestantes para impedir agentes do Ibama em operação no Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

Ponte é serrada por manifestantes para impedir agentes do Ibama em operação no Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

De acordo com a concessionária Equatorial Energia, cerca de 400 residências ficaram sem energia devido à derrubada de árvores que atingiram a rede elétrica.

Em nota, a concessionária informou que já enviou equipes para normalizar o fornecimento. A empresa disse ainda que teve apoio de autoridades locais. Três viaturas da Polícia Militar foram enviadas ao local.

 Policiais negociam liberação de via que dá acesso à Vila Mocotó, no interior do Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

Policiais negociam liberação de via que dá acesso à Vila Mocotó, no interior do Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

Segundo o Corpo de Bombeiros, os agentes foram enviados para auxiliar a operação, já que os postos de combustíveis apresentavam riscos à população, incluindo explosão e contaminação. Os estabelecimentos foram lacrados.

 Ibama, PM e Bombeiros interditam dois postos de combustível clandestinos no Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

Ibama, PM e Bombeiros interditam dois postos de combustível clandestinos no Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

Por G1 PA — Belém
16/01/2020 23h43

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br e/ou e-mail: adeciopiran_12345@hotmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/a-obra-educa-criancas-a-gerir-as-financas-de-maneira-pratica/

 




Ponte é destruída e estrada é fechada para impedir agentes do Ibama, PM e Bombeiros de retornar de operação no PA

A operação apreendeu combustíveis em dois postos que funcionavam de forma clandestina na zona rural de Senador José Porfírio. A energia elétrica também foi cortada na região, com a derrubada de um poste.
 Agentes são impedidos de retornar de operação contra postos de combustíveis clandestinos no Pará. — Foto: Reprodução / TV Liberal

Policiais militares, agentes ambientais e bombeiros foram impedidos de deixar a comunidade Vila Mocotó, que fica na região Assuriní, entre Senador José Porfírio e Anapu, sudoeste do Pará.

Os agentes estavam em uma operação para fechar dois postos de combustíveis clandestinos. Não houve prisão. Após negociação, as autoridades já conseguiram sair do local. Cerca de cinco mil litros de combustível foram apreendidos.

Os agentes estavam retornando a Altamira, no início da tarde desta quinta (16), quando foram surpreendidos pela presença de pessoas que queimaram uma ponte e bloquearam vias que dão acesso ao distrito, para impedir a retirada do combustível apreendido nos locais alvos da operação.

whatsapp-image-2020-01-16-at-20.51.38
Vídeo mostra ponte incendiada e negociação para liberação de agentes do Ibama no PA
De acordo com a concessionária Equatorial Energia, cerca de 400 residências ficaram sem energia devido à derrubada de árvores que atingiram a rede elétrica.

Em nota, a concessionária informou que enviou equipes para normalizar o fornecimento de energia. A empresa disse ainda que contou com apoio de autoridades locais.

Três viaturas da Polícia Militar foram enviadas ao local.
ponte

Por G1 PA — Belém
16/01/2020 21h02

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br e/ou e-mail: adeciopiran_12345@hotmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/a-obra-educa-criancas-a-gerir-as-financas-de-maneira-pratica/

 




Trabalhadores rurais denunciam violência agrária em Anapu, no Pará

(Foto:Reprodução G1)- Presidente da Cooperativa de Agricultores de Volta Grande do Xingu diz que é constantemente ameaçado no município. Ele defende 54 famílias que trabalhando em um lote na região do Babacajá.

Movimentos sociais denuncia violência agrária em Anapu, no Pará

Representantes de movimentos sociais, a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Pará, Associação dos Docentes da UFPA e a Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos realizaram um encontro, em Belém, para debater a violência agrária que acontecem em Anapu, sudoeste do Pará. Em dezembro, duas pessoas foram assassinado devido a conflito agrário.

A região é marcada por constantes conflitos entre trabalhadores rurais e fazendeiros. O caso mais emblemático do conflito resultou no assassinato da missionária norte-americana Dorothy Stang, em fevereiro de 2005.

Quem precisa de terreno para garantir a sua subsistência vive em constante tensão, como relatou o presidente da Cooperativa de Agricultores de Volta Grande do Xingu, Erasmo Teófilo, afirmando que é ameaça desde 2015, quando criou a cooperativa para lutar pela a permanência de 54 famílias no lote 96 na região do Babacajá.

“Eu comecei a ser ameaçado, eu comecei a ser debochado. Comecei a viver em um clima de tensão constante. As coisas que aconteceram neste mês tem virado um caos. Anapu, em si, virou o caos”, disse o presidente da cooperativa.

Segundo o presidente da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos, Marco Apolo Leão, de 2005 até 2019, 17 crimes com relação de conflito agrário ocorreram na região, mas nem um terço teria sido esclarecido.

“Nós queremos o esclarecimento das mortes do Márcio e do Anacleto. O Márcio era uma liderança rural, estava ameaçado e é uma das testemunhas de um caso importante, no caso do padre Amaro. Inocentou o padre Amaro. O Anacleto é uma pessoa que sabia do caso do Márcio, da morte do Márcio. Então são situações que não são coincidências. A gente acredita que pode ter uma relação entre elas e por isso a polícia deve investir em uma ‘força-tarefa’ para a região”, contou Marco .

    “As ameaças que ocorrem em Anapu não são inofensivas. No Pará não são. As pessoas que têm os seus nomes na lista de marcados para morrer, morrem”, completou.

De acordo com a Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), houve redução no número de crimes violentos em Anapu. Segundo levantamento, são 39% de redução. Em 2018 foram 48 crimes registrado e em 2019 são 29. O Ministério Público Federal (MPF) instaurou procedimento para acompanhar essas investigações e solicitou providências para as autoridades de segurança pública do estado.

Para a OAB no Pará, o Estado precisa agir de forma mais eficaz não só na redução dos crimes, mas na solução dos casos para encontrar os verdadeiros criminosos.

“Anapu é uma região extremamente marcada, assim como todo o estado do Pará, pela violência no campo. Nós tivemos o assassinato da irmão Dorathy Stang. No último mês (novembro) foram quatro mortes. Então, esse caso do Erasmo ele se soma a um quadro de muita violência no campo” disse Juliana Fonteles, presidente da Comissão de Direitos Humanos OAB-PA.

Por G1 PA — Belém
19/12/2019 17h48
Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br e/ou e-mail: adeciopiran_12345@hotmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/apenas-2-das-faculdades-alcancam-nota-maxima-em-avaliacao-do-mec/