Tapa Buracos do Dnit do Pará na BR 163 é com terra e pedra

image_pdfimage_print

Obras realizadas pela “Fratello Engenharia” sob responsabilidade do DNIT/PA, seguem rito da construtora “Três Irmãos”, construtora da pavimentação do trecho de  65 km na rodovia BR 163 no município de Novo Progresso. (Foto arte jornal Folha do Progresso)

Uma pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes (CNT) identificou em novembro de 2017,  que ficam no Pará alguns dos piores trechos de rodovias do país.

Leia Reportagem…

Placa fixada na entrada da pedreira local que funciona escritório da Fratello Engenharia, Antes pedreira da Três Irmãos em Novo Progresso.
Placa fixada na entrada da pedreira local onde funciona o escritório da Fratello Engenharia  – [Antes pedreira da Três Irmãos em Novo Progresso]

O contrato do DNIT com a empresa  Três Irmãos venceu em 2017, a empreiteira entrou em recuperação judicial e abriu nova empresa, com os mesmos sócios onde surgiu a  “Fratello Engenharia”, vencedora da licitação de R$ 21 milhões para tapar buraco na rodovia BR 163, trecho no município de Novo Progresso no sudoeste do estado do Pará.

*Leia Também:DNIT contrata “Fratello” nova empresa para fazer recuperação de trecho da rodovia BR-163 em Novo Progresso

A contratação da Construtora Fratello para execução de obras de  tapa-buracos  na rodovia BR 163 no município de Novo Progresso no estado do Pará, vem gerando desconforto entre as autoridades locais e população, a  empresa descendente da Três Irmãos  venceu o maior lote da licitação e receberá R$ 21 milhões pelos serviços no trecho de 68km.

Reportagem flagra funcionários da empresa 'Fratello Engenharia" jogando terra na em buraco de rodovia BR 163 em Novo Pregresso-PA.
Reportagem flagra funcionários da empresa ‘Fratello Engenharia” jogando terra  para tampar buraco na rodovia BR 163 em Novo Progresso-PA.

A licitação levantou suspeita porque a empresa baixou o preço de R$ 33 milhões para R$ 21 milhões, para vencer  oficialmente  a licitação, desbancando as outras concorrentes com maior condição de realizar serviços de qualidade na rodovia. “Com valor menor a recuperação fica em xeque, de onde vai vir o dinheiro para repor  o custo da obra e cumprir as cláusulas do contrato  para realizar um serviço de qualidade”? 

Indagou o vice-prefeito Gelson Dill (PMDB) , que prometeu encabeçar um movimento para exigir do governo  mais atenção com o dinheiro público gasto na BR 163 no Município de Novo Progresso.

SITUAÇÃO CAÓTICA ANUNCIADA

Rodovia BR 163 trecho construido pela "Três Irmãos" tomada por buracos-Operação Tapa Buraco (2018) realizado pela Fratello Engenharia, consertou em dois dias se acabou.
Rodovia BR 163 trecho construido pela “Três Irmãos” tomada por buracos-Operação Tapa Buraco (2018) realizado pela Fratello Engenharia, consertou em dois dias se acabou.

A Três Irmãos iniciou ás obras na rodovia  em 2009 com a promessa de entregar a obra ( asfalto)   em 2012 no trecho de 68 km, somente em 2017  entregou a rodovia tomada por  buracos. O DNIT/PA com sede na cidade de Itaituba-PA é  responsável pela fiscalização da obra e não interferiu nos serviços de péssima qualidade da Três Irmãos – tem lugar que já foi reconstituído por mais de 10 vezes e os buracos permanecem,  dificultando o tráfego na rodovia.  O que encontramos neste trecho mostra que o  “dinheiro público no Pará está  sendo usado para tapar buracos no asfalto da BR-163 com pedra e barro. Não tem terra do progresso que suporte tamanho descaso e incompetência.”

São 10 anos de uma tentativa frustrada de se viabilizar uma rodovia asfaltada na terra na cidade de Novo Progresso”, disse o prefeito Macarrão (PSC) que não concorda com ação da empresa na rodovia.

LICITAÇÃO COM DNIT

Constituída no dia 13 de maio de 2015, a empresa Fratello Engenharia em 2017 herdou o passivo da “Três Irmãos” , ou seja, tipo um golpe já premeditado, sabendo da ação judicial em fim de contrato com a impossibilidade da empresa participar da próxima licitação, se constrói outra com novo CNPJ e com os mesmos sócios [Carlos Eduardo Avalone e Marcelo Avalone], daí surge a “Fratello Engenharia” que aliás fica no mesmo espaço físico que a empreiteira “Três Irmãos Engenharia Ltda”, que entrou com pedido de recuperação judicial e está impedida de participar das licitações.

Fratello Engenharia  é responsável pelo ORÇAMENTO de R$ 21 milhões para serviços de tapa-buracos na rodovia BR 163 no trecho de 68 km em Novo Progresso, construído pela Três Irmãos  com serviço de péssima qualidade e que nunca foi entregue conclusa  ao DNIT do Pará.

Imagem retirada do Portal do DNIT na internet
Imagem retirada do Portal do DNIT na internet

TAPA BURACO

A reportagem do Jornal Folha do Progresso  entrou em contato com a Fratello em Novo Progresso, os responsáveis pela empresa que são os mesmos da ex Três Irmãos alegam serem impedidos de falar, o encarregado “Zé Carlos” disse a reportagem do Jornal Folha do Progresso que os serviços na rodovia seguem em  emergência, que estão fazendo um trabalho paliativo para deixar a rodovia trafegável, que em seguida vai iniciar os serviços de recuperação a este serviço que é paliativo, disse. Ele afirmou que os procedimentos que estão adotando foi orientado pelo fiscal da Superintendência do Pará. Ao checarmos  os anexos disponíveis no sitio eletrônico do DNIT, nossa reportagem  verificou que em nenhum deles existem a previsão de tapa-buracos com pedra e barro. Se não existe essa previsão, porque o fiscal do DNIT está adotando está medida?

Foi observado em outros seguimentos rodoviários, já pavimentados, até as ETCs de Miritituba em Itaituba/PA, que a mesma ação se faz presente, ou seja, na ocorrência de buracos na pista, os mesmos são tapados com aplicação de barro. Se a Fratello foi criada pela cisão da “Três Irmãos” e seus sócios são os mesmos, podemos afirmar que o ‘modus operandi’ desta empresa será o mesmo.

CLÁUSULAS CONTRATUAIS

No Contrato firmado entre DNIT e FRATELLO este serviço “PALIATIVO” com terra não consta, procurado o DNIT de Itaituba/PA, informou para imprensa que ação é deixar a rodovia trafegável de imediato, mas não relatou quem vai pagar pelos serviços.

Observamos para este caso, em específico, onde o valor de referência a ser licitado era de R$ 33.995.457,87 (trinta e três milhões novecentos e noventa e cinco mil quatrocentos e cinqüenta e sete reais e oitenta e sete centavos) a empresa Fratello Engenharia Ltda, foi contemplada com sua proposta de R$ 21.854.500,00 (Vinte um milhões oitocentos e cinqüenta e quatro mil e quinhentos reais). Podemos verificar um desconto de 35,71%. Como regra básica de mercado, existe o prenúncio de que, no sentido de a empresa prestadora de serviço manter minimamente seus ganhos (lucro), a qualidade do serviço correrá sério risco de ser comprometida, uma vez que a empresa somente poderá promover redução nos seus custos com relação a qualidade dos materiais a serem empregados bem como na economia com processos construtivos mais baratos.

*Leia Também:Rodovia BR 163 continua com problemas para trafego da safra 2018

O Motorista Eduardo Bigolo de 47 anos, disse ao Jornal Folha do Progresso que trafega na rodovia a 12 anos, nunca viu no longo da 163 um serviço tão mal feito como este da “Três Irmãos”, aqui é impossível trafegar, no trecho só buraco e lama, a obra é mal sinalizada, a empresa nunca fez um serviço que preste, o asfalto esfarela, eu já sai fora da rodovia duas vezes por falta de um acostamento de qualidade, a gente paga impostos com dificuldade, e o que recebemos do governo, são estas obras mal feitas com empresas corruptas, isto tem que acabar, reclamou.

Termo de compromisso de qualidade dos serviços -Imagem retirada do Portal do DNIT na internet
Termo de compromisso de qualidade dos serviços -Imagem retirada do Portal do DNIT na internet

TRAFEGABILIDADE DA RODOVIA

Operação Radar 163  partiu de Brasília [DNIT de Brasília] e  produziu efeito imediato com a participação do Exército Brasileiro e a PRF no sentido de propiciar segurança e trafegabilidade  no trecho mais difícil da rodovia até o porto de Miritituba no Pará.

A “Operação Radar 163”  teve  resultados de imediato e comprovou o empenho e competência e dedicação dos envolvidos que já  produziu  excelentes resultados que são hoje observados.

br 163 obra
Trecho da rodovia que antes tinha atoleiros, foi recuperado pela Operação Radar 163 partiu de Brasília [DNIT de Brasília] e produziu efeito imediato com a participação do Exército Brasileiro e a PRF .(Foto Arquivo Jornal Folha do Progresso)

Contudo, a preocupação não mais está ligada aos segmentos não pavimentados, que totalizam apenas cerca de 87 km. A grande preocupação das populações está ligada aos fatos históricos de uma gestão fraca e descomprometida da Superintendência do Pará que emperra o crescimento da região e dificulta a vida dos setores que mais produzem riquezas para a economia brasileira. A agricultura e a pecuária necessitam se desenvolver e contribuir cada vez mais com as exportações, criando um cenário mais favorável para a balança comercial.

“O corredor Oeste (Chamado Arco Norte) através da BR-163 é um verdadeiro desafio aos transportadores. O Corredor Leste (BR-158 e BR-155) são tão ruins, ou até mesmo pior, quanto o Oeste. A atividade econômica do agronegócio nesses corredores no Pará continua se desenvolvendo porque o setor é muito preparado e ativo, caso contrário o colapso seria inevitável por falta de competência local de se executar o que é planejado no DNIT Sede em Brasília.”

O Pará possui importantes corredores logísticos para os produtos agrícolas do MT, mas o DNIT do Pará não atua altura da necessidade regional.

Pesquisa da CNT identificou no Pará alguns dos piores trechos de rodovias do país

DNIT-PA TEM PIOR AVALIAÇÃO NACIONAL

Uma pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes (CNT) identificou em novembro de 2017,  que ficam no Pará alguns dos piores trechos de rodovias do país. Os problemas são buracos, desníveis, falta de pavimentação. O levantamento avaliou mais de 105 mil quilômetros de rodovias federais e estaduais brasileiras, quase 13 mil deles ficam na região norte. A maioria dos trechos considerados ruins está no comando do DNIT do  Pará, que tem o pior resultado do Brasil.

Os pontos avaliados como péssimos chegam a 25%, buracos de todo o tamanho colocam em risco a vida dos motoristas. “É pneu que estoura, mola que quebra, nossa dificuldade é muita e a gente não vê benefício nenhum“, diz o caminhoneiro José Ivaldo ao G1.

O caminhoneiro Lucas Demarco saiu de São Paulo e perdeu um dos pneus na primeira viagem ao Pará. “É muito gasto, combustível, pneu, manutenção do caminhão e muito ruim”, comenta.

Trecho construido pela empreiteira Três Irmãos foi tampado com terra e pedra pela Fratello Engenharia (Rodovia BR 163 Novo Progresso -PA)
Trecho construido pela empreiteira Três Irmãos foi tampado com terra e pedra pela Fratello Engenharia (Rodovia BR 163 Novo Progresso -PA) Foto: Arquivo Jornal Folha do Progresso.

A CNT diz que a qualidade das rodovias piorou porque os investimentos em infraestrutura encolheram nos últimos seis anos. O resultado é uma reação em cadeia, caminhoneiros passam mais tempo na estrada, gastam mais com combustível, o preço do frete aumenta e todo mundo sai perdendo.

“É de 30 a 40%, o valor mais caro do frete. O caminhão faz em media, na estrada boa, de 1500 a 1800 metros com um litro de combustível. Na estrada ruim, ele não faz nem um quilometro por litro, então isso inviabiliza qualquer transporte, qualquer operação”, afirma Eurico Santos, presidente do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos do Pará.

Por Adecio Piran Para Jornal Folha do Progresso
“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro)   Site-www.folhadoprogresso.com.br E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: