JBS e Minerva despencam após China anunciar que comprará carne dos EUA

 Funcionários trabalham na linha de produção do frigorífico Minerva em Barretos (SP) – (Ftoo:Edson Silva/Folha)

As ações de processadoras de carne operam entre as maiores quedas do dia na Bolsa de Valores (B3) nesta segunda-feira (16). Por volta das 16h20 (horário de Brasília), os papéis da Minerva (BEEF3) tinham queda de 3,02%, a R$ 11,87. Já a JBS (JBSS3) desvalorizava 1,87% no mesmo horário, a R$ 36,26. (A informação da Folha Uol)

As baixas refletem a dificuldade de vender carne para a China. Isso porque hoje o governo autorizou mais 13 frigoríficos de carne suína, bovina e de aves dos Estados Unidos a exportarem seus produtos para o país asiático. A habilitação entrou em vigor na última sexta-feira (13).

Por:Jornal Folha do Progresso em 16/05/2022/17:31:48

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.
“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br   e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com




Ministério da Agricultura determina suspensão da produção de carne bovina para a China

Brasil é um dos maiores produtores de carne do mundo e tem na China um dos seus principais mercados Foto: Bloomberg
Decisão se deve à demora das autoridades sanitárias chinesas para autorizar a retomada das compras do produto brasileiro. Veto já dura 45 dias

BRASÍLIA — O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento determinou nesta terça-feira, por meio de um ofício-circular, que frigoríficos habilitados a exportar carne bovina para a China suspendam quaisquer novas produções para aquele país.

A medida foi tomada quando a paralisação das exportações brasileiras de carne à China completou 45 dias. A ministra da Agricultura, Teresa Cristina, planeja uma viagem a Pequim para destravar o bloqueio às importações chinesas do produto brasileiro.

O governo decidiu suspender novas produções devido à demora das autoridades chinesas em autorizar a retomada das compras da carne bovina brasileira, interrompidas em 4 de setembro em consequência da ocorrência de dois casos atípicos do mal da vaca louca, em Mato Grosso e Minas Gerais.

O ofício-circular é endereçado aos chefes dos Serviços de Inspeção de Produtos de Origem Animal, à Coordenação-Geral de Inspeção e à Coordenação-Geral de Controle e Avaliação do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal.

No texto, o governo também autoriza estabelecimentos processadores de carne bovina habilitados a vender aos chineses a estocarem em contêineres refrigerados a proteína que produziram antes da data da suspensão. A medida é válida por 60 dias.

Preço nas alturas:Carne puxa a alta dos alimentos. Inflação dispara e analistas já veem estagflação em 2022

“Autorizar, temporariamente, pelo período de 60 dias, que os estabelecimentos fabricantes e processadores de carne bovina habilitados a exportar para a China realizem a estocagem de produtos bovinos congelados, fabricados anteriormente à suspensão da certificação sanitária internacional de produtos para a China em 4/9/2021 com destino a esse mercado, em contêineres dotados de equipamentos geradores de frio, nos pátios internos de estabelecimentos habilitados à exportação para China.”

Pelo ofício, esses estabelecimentos deverão dispor de estrutura adequada que permita o funcionamento contínuo dos equipamentos de frio dos contêineres e realizar o monitoramento frequente e diário de seu funcionamento e temperatura interna, como parte de seus autocontroles.

Relatórios contemplando o quantitativo de contêineres, sua localização e as informações de controle de temperatura deverão ser apresentados ao SIF, sempre que solicitado.

Fonte:O GLOBO/Por:Naira Trindade
19/10/2021 – 23:16 /

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br   e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

https://www.folhadoprogresso.com.br/hamburgueria-seleciona-universitarios-para-programa-de-trainee/

 




Boi gordo tem valorização superior a 35% no início de 2021

Segundo analista, a alta nos preços deve continuar diante da pouca oferta de animais no mercado, que deve ser maior em fevereiro (Foto:Reprodução internet)
A cotação do boi gordo em janeiro deste ano registra alta superior a 35% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com a Scot Consultoria. Já a cotação de bovinos para reposição de rebanhos registrou alta de 64,5%, na média de machos e fêmeas. Na comparação com dezembro de 2020, a alta nos preços é de 1%.

“Temos poucos pecuaristas atuando neste momento. Com pouca oferta, o preço seguirá subindo. A oferta deve melhorar a partir desse mês, o que deve trazer algum equilíbrio aos preços. No entanto, a firmeza nas cotações deve seguir neste ano e até mesmo em 2021”, avalia Alcides Torres, diretor da Scot Consultoria.

Sobre a alta nos preços da arroba, que chegaram a superar a marca de R$ 300 no ano passado, Torres diz que é difícil fazer projeções nesse sentido e que o dinamismo do mercado é quem vai dizer para onde vão os preços. “A exportação de carne bovina deve continuar forte em 2020, mas o consumo interno preocupa, uma vez que ele absorve 70% da produção”, diz.

Em 08 de janeiro de 2021 às 13h52
Por Canal Rural

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br   e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

https://www.folhadoprogresso.com.br/portaria-regulamenta-polos-para-mestrado-e-doutorado-ead/

 




Egito habilita 42 frigoríficos do Brasil a exportar carne bovina e de frango

Entre os novos estabelecimentos que poderão vender ao país árabe, 15 são frigoríficos de carne bovina e outros 27 de aves (Foto:Reprodução)
O Egito habilitou 42 novas plantas frigoríficas do Brasil a exportarem carne ao seu mercado. Entre eles, 15 frigoríficos de carne bovina e outros 27 de aves já podem iniciar suas vendas para o país árabe após autorização feita pela Organização Geral de Serviços Veterinários do Egito, no dia 31 de março.

Além disso, o país árabe renovou, ainda, as habilitações de 95 exportadores que já participam desse mercado, sendo 82 abatedouros de gado bovino.

O analista de mercado Yago Travagini, da consultoria Agrifatto, explica que em 2019, os egípcios foram o terceiro maior comprador da carne bovina brasileira. Nestes três primeiros meses do ano, os negócios chegaram em US$ 486 milhões.

“É uma oportunidade que se abre para os frigoríficos e produtores, mas é preciso cuidado com uma possível alta que se espera quando se abre um mercado”, diz. Ele explica que a habilitação das plantas não significa necessariamente uma exportação imediata mas mais competição para enviar o produto ao Egito.

Por Canal Rural
Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: ww.folhadoprogresso.com.br   e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/isencao-enem-2020-foto-passa-a-ser-obrigatoria-para-solicitacao/

 




Carne bovina: China não quer mais pagar preço alto e propõe renegociação

(Foto:Reprodução Internet) -De acordo com informações do jornal Folha de São Paulo, algumas empresas fizeram empréstimos e agora têm dificuldades para receber os valores acertados

A China quer renegociar os preços da carne bovina brasileira. De acordo com reportagem do jornal Folha de São Paulo, publicada nesta terça-feira, 21, os importadores chineses não querem mais pagar os preços acertados pela proteína e propõem uma mudanças nos valores.

Segundo a notícia, algumas empresas fizeram empréstimos e agora têm dificuldades para receber os valores acertados. Os preços da carne bovina no Brasil atingiram uma alta histórica no final do ano passado, chegando ao patamar de R$ 231 por arroba, de acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Nesta segunda, 20, a arroba fechou em R$ 192,60, queda de quase R$ 40 desde o pico dos preços.

Mauro Zafalon, jornalista da Folha de São Paulo, disse que a notícia foi uma surpresa para indústria, produtor e mercado. “Os setores não esperavam isso da China. O problema é que o Brasil precisa da China, a China precisa do Brasil porque conseguimos suprir essa alta demanda de proteínas devido ao problema da peste suína. Isso gera uma preocupação para o mercado, demonstra uma fragilidade, porque sem dinheiro chines, o mercado também fica sem dinheiro”, afirma Zafalon.

Leia Também:Redentor fecha frigorífico e demite funcionários

“O problema começou quando a China entrou no Brasil comprando tudo o que tínhamos de carne, somando mais de 400 mil toneladas exportadas. Eles pegaram o país em momento de entressafra, quando o boi gordo chegou a R$ 231. Com isso, as empresas pagaram os preços e agora não conseguem fazer uma negociação,  porque neste momento, o custo de produção da carne bovina no Brasil ficou elevado, e esse tem sido o impasse no mercado”, explica ele.

O Canal Rural entrou em contato com a Associação Brasileira de Indústria Exportadora de Carne, mas não obteve respostas até a publicação dessa matéria.

Para o analista de mercado da Agrifatto Consultoria, Gustavo Rezende, o anúncio por parte do país asiático não impactou os preços  de mercado. “Os preços estão respondendo mais sobre a questão de confinamento mais lento, um temor sobre o consumo interno mais lento, e por enquanto somente expectativa se como será o desempenho do mercado chinês”, afirmou ele.

Segundo Rezende, os pedidos de renegociação de países importadores são comuns. “É relativamente comum, alguns países fazem isso com uma frequência maior, como é o caso da Rússia, que sempre exercesse uma pressão nos países exportadores para baixar os preços das proteínas”, explica.

“O que acontece no caso da China, é que o problema foi grave em relação a peste suína, onde o país precisou comprar muita carne e com isso a inflação sobre os alimentos subiu expressivamente. A inflação de alimentos encerrou 2019 acima de 15%, sendo que no início do ano passado o índice estava em 2%. Então agora eles também querem pressionar preços, mas isso não está resolvendo o problema, e a disponibilidade de animais jovens parta atender a demanda chinesa também e menor neste período”, finaliza Rezende.
Por:Canal Rural/21 de janeiro de 2020 às 15h03
Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br e/ou e-mail: adeciopiran_12345@hotmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/sisu-fica-disponivel-por-mais-dois-dias/

 




Alta no preço da carne gera demissões em frigoríficos de Castanhal, no PA

(Foto:Reprodução)-Frigoríficos de Castanhal demitem funcionários por falta de procura do produto

Cerca de 200 pessoas foram demitidas de um dos maiores frigoríficos da região que atua no município.

Alguns frigoríficos de Castanhal, nordeste do Pará, estão vendendo carne bovina até 40% mais cara, devido aos reajustes observados nacionalmente. Com o valor em alta, pequenos comerciantes temem o desabastecimento.

Na cidade, açougues estão fechando as portas e tem frigorífico demitindo funcionários.

De acordo com os empresários, a dificuldade é encontrar gado para comprar e abastecer o estabelecimento. A tradicional carne de sol vendida em Castanhal, por exemplo, também está mais cara. O preço subiu de R$ 8,00 para R$ 42,00.

Com os reajustes, o consumo de carne bovina caiu na região. Uma das consequências dessa crise é o desemprego. Cerca de 200 pessoas foram demitidas de um dos maiores frigoríficos da região. O município de Castanhal conta com quatro frigoríficos e mesmo assim não consegue atender a demanda atualmente devido ao preço.

Alta

Nesta segunda-feira (2) o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão, informou que as exportações de carne bovina aumentaram 45% em novembro deste ano, em comparação ao mesmo mês em 2018.

Segundo Brandão, o valor das vendas externas de carnes bovinas avançaram para US$ 756 milhões em novembro deste ano, alta de US$ 235 milhões em relação ao mesmo período do ano passado, que registrou US$ 521 milhões em vendas desses produtos.

A maior procura da China pelo produto e a estiagem ao longo do ano no Brasil contribuíram para o aumento do preço da carne vermelha no mercado interno. Pela primeira vez na história, o preço da arroba do boi gordo ultrapassou os R$ 200.

Para o consumidor final, o preço, em média, aumentou cerca de 35% de janeiro a novembro. Veja cinco pontos para você entender o aumento do preço da carne

Por:Por G1 PA — Belém

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br e/ou e-mail: adeciopiran_12345@hotmail.com

http://www.folhadoprogresso.com.br/participantes-do-premio-capes-talento-universitario-podem-consultar-o-local-de-prova/