Com alta do dólar, preço dos ovos e carne de frango vai subir no Pará

image_pdfimage_print

O custo da na produção de ovos subiu cerca de 50% nos últimos quatro meses.

Nem o ovo de galinha escapou da alta do dólar. O preço subiu porque os componentes da ração das aves ficando a cada dia mais cara no Pará. Em meio ao desequilíbrio econômico devido a pandemia do novo coronavírus, a situação está ficando cada vez pior para os produtores regionais.

O milho é o insumo-chave no processo de cria e engorda de suínos e aves, por isso tem grande impacto no custo de produção e tem efeito direto no desempenho desses segmentos no mercado interno e externo, uma vez que o Brasil está entre os maiores produtores e exportadores mundo.

Na granja Santa Joana, em Santa Isabel, o custo da na produção de ovos subiu cerca de 50% nos últimos quatro meses. O preço do milho e do farelo de soja, base da ração das aves, mais que triplicou. O milho é o principal ingrediente energético utilizado na ração desses animais.

“O saco de milho de 60kg que era comprado a R$28, agora está custando R$80. Já o saco da Soja que era vendido a R$1.400 agora está R$2.400”, disse o administrador da granja, Álvaro kagawa, em entrevista ao DOL.

De acordo com Kagawa, uma caixa com 360 avos é vendida por R$130, mas com o atual preço da ração, o valor será reajustado em R$150. Ainda segundo o administrador, a carne do frango também sofrerá com a alta nos preços. Ainda segundo o administrador, até as embalagens de papelão que acondiciona os ovos para a venda sofreu reajuste. E o consumidor já sentiu no bolso os constantes aumentos nos preços.

“Os clientes já estão reclamando das constantes altas nos preços e muitos já não querem comprar porque os lucros não acompanham o preço final da revenda”, disse Kagawa.

Kagawa também informou que esse aumento se deve porque a China comprou todas as safras de milho e soja do Pará e agora os produtores da região estão sendo prejudicados com a falta da matéria prima.

E para diminuir os prejuízos por falta de matéria prima, a saída da granja está sendo reduzir a produção e o descarte das aves. Segundo o administrador, a granja já descartou cerca de 30% de suas aves.

Algumas reuniões já foram realizadas com a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará) para tentar encontrar uma solução, mas até o momento a ordem é esperar para que o dólar sofra queda para que esse esse senário econômico possa se estabilizar.

 

 

Foto: Reprodução
Fonte: Diário Online

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: