Marido é suspeito de matar a esposa estrangulada na própria casa em Uruará

image_pdfimage_print

Amanda da Silva, 35 anos, morreu na noite do primeiro dia de 2021. Policiais civis abriram um inquérito para esclarecer o caso | Foto: Divulgação

Segundo o que já foi apurado pela Polícia Civil do município, o suspeito de cometer o crime seria o marido da vítima. Ele já está preso e diz que ela própria se enforcou

APolícia Civil da cidade de Uruará, na região sudoeste do Pará, abriu inquérito para apurar as circunstâncias da morte de Amanda da Silva, 35 anos. Ela foi encontrada sem vida na noite de sexta-feira (01). Foi estrangulada.
Segundo as primeiras informações levantadas pelos policiais civis de Uruará, o principal suspeito do crime seria o marido da vítima, identificado como Vandeilson Fernandes Lima. Ele já está preso.

O crime, segundo testemunhas, ocorreu por volta das 21h20 dentro de uma casa da rua Vale do Xingu, esquina com a Castro Alves. A equipe de plantão da Polícia Civil de Uruará esteve no local e prendeu Vandeilson em flagrante. Ele foi levado à delegacia na condição de suspeito de cometer o assassinato.

Para a polícia, o suspeito, em depoimento, disse que a esposa teria se enforcado. Contudo, as circunstâncias da cena encontrada, os levantamentos de local de crime, além de relatos de testemunhas sobre agressões antes da morte de Amanda Silva, contradizem as palavras dele.

Pela cena encontrada, Vandeilson teria usado uma corda para matar a mulher e ele não teria razões para explicar o feminicídio. Foi encontrado, ainda, na casa, material utilizado para consumo de crack.
Informações de vizinhos relataram que a mulher sofria violência doméstica e estaria vendendo os objetos de casa para ir embora para a cidade de Altamira. No início da noite de sua morte, o marido a teria encontrado na frente de casa e, por não aceitar a situação, a teria levado para dentro do quarto onde passou a agredi-la, o que resultou em morte.

O corpo da mulher foi removido por uma funerária de Uruará e encaminhado para o Necrotério do Hospital Municipal, onde passou por exames e depois foi liberado para a família.

Por:J.R Avelar

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

 

 

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: