Médicos cubanos são vítimas de calúnia e difamação nas redes sociais em Itaituba

image_pdfimage_print

Os dois médicos cubanos tiveram suas imagens circulando em grupos do WhatsApp como se fossem ladrões (Foto:Reprodução / Site Giro Portal)

Os dois profissionais registraram ocorrência na Delegacia. Tudo foi motivado por uma única moradora por meio do WhatsApp

Os médicos cubanos Yesier Socorras Guerra e Reynier Fernandez Leon, do Programa Mais Médicos, registraram ocorrência nesta terça-feira (2) na 19ª Seccional de Polícia Civil de Itaituba, relatando terem sido vitimas dos crimes de calúnia e difamação, que são crimes contra a honra objetiva, ou seja, que atingem a reputação do indivíduo perante a sociedade.

Os dois profissionais foram avisados por amigos e colegas de Saúde, do município, que as imagens deles estavam circulando em grupos do WhatsApp como se fossem ladrões à procura de casas para roubar.

Tudo começou quando os dois médicos estavam tentando achar o endereço da residência do diretor da Unidade de Pronto Atendimento 24h (UPA), do município, Fabrício Amaral, que é novo na função.Sem falar fluentemente o português e com dificuldade de achar a casa do diretor, os dois profissionais tentaram falar, por interfone, com a dona de uma casa que tinha interfone na frente – e foi essa mulher que após os denunciou nos grupos de WhatsApp.

Os médicos falaram com ela pelo interfone porque acreditaram que era uma chance de perguntar sobre o endereço que procuravam.A conversa foi truncada e rápida, os médicos não entenderam nada e foram embora. A proprietária, no entanto, foi para o WhatsApp avisar às pessoas que dois ladrões circulavam pelas ruas do bairro.

Ela usou junto com o texto que escreveu as imagens da câmera de segurança da casa dela, em que aparecem os cubanos na frente do imóvel e tentando falar com ela ao interfone. Foi ela por o alerta sobre os supostos assaltantes em grupos de WhatsApp, e estava formada a trama virtual contra os dois profissionais estrangeiros.

De acordo com a polícia, em grupos de WhatsApp de Itaituba surgiram comentários como “caras de Manaus que a polícia está atrás”, “eles não roubaram porque eles ‘viu’ as câmeras”, diz outra participante.

“Nossa imagem ficou muito arranhada, ontem (terça-feira, 2) não tivemos cabeça nem para atender em nosso plantão porque realmente foi um momento muito constrangedor”, afirmou o médico Yesier Guerra.

“Acho que é um ato de muita irresponsabilidade, você lançar uma imagem em grupos de WhatsApp sem ter nenhum embasamento de verdade”, acrescentou ele.O médico Reynier Leon também se queixou dos crimes de difamação e calúnia contra a imagem dele e do colega.

“Nós trabalhamos aqui com resultados e a população dá mostras de carinho com a gente. Aí acontece uma coisa dessas. É difícil, a gente fica triste. Queremos que essa pessoa de onde saiu a mensagem com a nossa imagem pague. Nunca houve roubo. Tudo é mentira e tudo foi manipulado. Queremos reverter essa situação, limpar nossa imagem”, enfatizou.

“A nossa preocupação principal agora é limpar a imagem deles, o que houve foi uma mensagem falsa vinculada à imagem deles, que são profissinais, médicos. E as pessoas por maldade, por uma interpretação errônea dos fatos, acabaram propaganda essa mensagem prejudicial contra eles”, afirmou o advogado dos dois cubanos, Dennis Scherch.

O advogado informou que a investigação vai prosseguir pelos crimes de calúnia e até injúria racial contra a moradora do bairro de Buriti. Ela foi chamada para comparecer à Delegacia de Polícia, nesta quarta-feira (3) e fazer um pedido de retratação, mas a mulher não compareceu.

“Manchar a honra das pessoas em redes sociais pode caracterizar crimes de calúnia e difamação e cabe inquérito policial para investigar tais crimes e, essas pessoas podem responder por isso na Justiça”, afirmou o delegado Rafael Ribeiro.

Ele assegurou que buscou informações sobre os dois médicos cubanos e nada consta contra eles nos sistemas nacionais dos órgãos de segurança pública.

Redação Integrada

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

 

 

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: