Morre juiz e humorista paraense ‘Epaminondas Gustavo’ após complicações pela Covid-19

image_pdfimage_print

Ele estava internado desde o dia 9 de janeiro em um hospital particular vítima da covid-19 e teve complicação no seu quadro. – (Epaminondas Gustavo — Foto: Divulgação)

A família do juiz Cláudio Rendeiro, que interpreta o personagem humorístico Epaminondas Gustavo, informou na manhã desta segunda-feira (18) sobre a morte do humorista. Ele estava internado desde o dia 9 de janeiro em um hospital particular vítima da covid-19. Na última semana o quadro do humorista teve uma piora.

O humorista havia informado que a situação estava sob controle. Epaminondas recebia doses de remédio e fazia exercícios respiratórios. Na última semana, ele teve uma piora e o quadro agravou. Através das redes sociais parentes e amigos pediram por orações. Por volta das 6h10 da manhã a família comunicou o falecimento.

Em nota a família agradeceu pelas milhares de demonstração de carinho e apoio dos fãs amigos, imprensa e autoridades do Estado.

“Deus é soberano e sua vontade deve ser aceita por todos nós, mesmo sabendo que a perda do Claudio é muito dolorosa e difícil de ser assimilada”, disse o irmão Manoel Rendeiro Junior.

Trajetória
Com paródias e muito improviso, o humorista era conhecido pela sua autenticidade. O juiz e ator nas horas vagas, Cláudio Rendeiro, dava a vida ao caboclo Epaminondas. Natural de São Caetano de Odivelas e tão apaixonado por Direito e comédia quanto pelos municípios de Cametá, Abaetetuba e Igarapé-Miri. Epaminondas era um ribeirinho de Cametá que representa o cabloco paraense e o seu linguajar.
O personagem foi originalmente inspirado no pai de Claudio, um português chamado Manoel, e seu tio chamado Benedito, de quem Epaminondas herdou os jeitos e trejeitos.

Cláudio era juiz há 25 anos e nunca fez teatro, o que não o impediu, em 2009, de sugerir uma encenação para explicar de forma mais dinâmica o que faz uma Vara de Execução Penal de Penas e Medidas Alternativas, onde são aplicadas penas que não incluem prisão.

Em 2014, foi convidado pela Justiça do Trabalho a gravar áudios sobre a campanha de combate ao trabalho infantil e, em 2019, participou da 23ª Feira Pan-Amazônica do Livro e das Multivozes, onde relançou e autografou os livros “Líricas Ribeirinhas e Outras Margens”, “Sátiras de um Ribeirinho” e “Causos”.

Por G1 PA — Belém

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

 

 

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: