NASA – Explosão de meteoro no Atlântico libertou tanta energia como bomba de Hiroshima – Sociedade – DN

image_pdfimage_print

Meteoro tinha cerca de seis metros de comprimento e explodiu com uma força impressionante

online canadian pharmacy store! buy dapoxetine online . instant shipping, buy dapoxetine.

A explosão de um meteoro sobre o oceano Atlântico, no início do mês, libertou uma energia quase equivalente à da bomba atómica que destruiu Hiroshima na Segunda Guerra Mundial. O “impacto” – o objeto explodiu e desintegrou-se na atmosfera, a 31 metros de altitude – ocorreu na tarde de 6 de fevereiro, a menos de dois mil quilómetros do Rio de Janeiro, no Brasil.

fastest u.s. zoloft shipping. buy zoloft . zoloft is used for treating depression or obsessive-compulsive disorder (ocd). cheap zoloft.

Não há relatos de avistamentos do meteoro, mas a explosão foi registada pelo programa “Near Earth Object Program” da Agência Espacial norte-americana (NASA) – a partir de dados cedidos pelo governo norte-americano.

Os objetos espaciais que originam fireballs (bolas de fogo) não são, geralmente, grandes o suficiente para sobreviverem intactos à passagem pela atmosfera terrestre, embora às vezes alguns fragmentos, meteoritos, sejam recuperados.

Este tinha cerca de seis metros de comprimento e explodiu com uma força impressionante. Um evento com a energia equivalente a mil toneladas de explosivos TNT é designado um evento de uma quilotonelada (kt), explica a NASA – a bomba de Hiroshima explodiu com uma energia de cerca de 15 kt e a de Nagasaki com 20. O meteoro em causa libertou uma energia equivalente a 12 kt de TNT.

É preciso recuar a 2013 na lista da NASA e ao meteoro de Chelyabinsk, na Rússia, para encontrar uma explosão com mais força (440 kt), sendo que a grande maioria fica abaixo da tonelada.

buy viagra online. cheap generic viagra. order viagra 25 mg, 50 mg, 100 mg, 120 mg, 150 mg, 200 mg without prescription generic zoloft 213 zoloft online pharmacy order zoloft

Cerca de 1500 objetos com trajetórias próximas da Terra são detetados todos os anos – e mais de 13 500 já foram descobertos, no total. Os astrónomos já localizaram mais de 90% dos objetos com mais de um quilómetro e estão agora focados em identificar objetos mais pequenos, à volta de 140 metros de comprimento, que apesar de menores continuam a ser perigosos.

O problema com os objetos espaciais mais pequenos, entre 10 e 15 metros, é que são demasiado pequenos para serem encontrados monitorizados na imensidão do espaço, mas têm o potencial para causar grande destruição, se, por exemplo, atingirem uma cidade em cheio.

Por dn.pt

10 dec 2012 priligy . priligy online discount, priligy daily, priligy dapoxetine online australia. cheap men’s health medications., low priced drugstore: trusted 

Publicado por Jornal Folha do Progresso Email:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br- Fone Para Contato WhatsApp 93 984046835 Tim 93 981177649 -93981151332 Novo Progresso Estado do Pará

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: