Pará completa um ano na pandemia da covid-19 nesta quinta (18)

image_pdfimage_print

A especialista sugere medidas drásticas em relação ao isolamento para evitar uma tragédia ainda maior no estado (Foto:Thiago Gomes/O Liberal)

Nesse tempo, Estado já decretou três lockdowns e soma 9.427 mortes e 385.536 pessoas infectadas

Nesta quinta-feira (18), completa um ano que o primeiro caso de covid-19 foi confirmado no Pará pela Secretaria de Estado de Saúde (Sespa).

O infectado foi um homem de 37 anos, morador da capital paraense, que tinha passagem recente pelo Rio de Janeiro, cidades onde, na época, já haviam centenas de casos.

Após 15 dias, na tarde de 01 de abril de 2020, a Sespa confirmou a primeira morte pela covid-19, doença ocasionada pelo novo coronavírus, no Estado. A vítima era uma mulher, de 87 anos, que morava na Vila de Alter do Chão, em Santarém, no oeste paraense.

De lá para cá, a covid-19 já chegou a todos os 144 municípios do Estado, o sistema de saúde entrou em colapso, inclusive com o fechamento de hospitais particulares por falta de leitos e hoje, um ano depois, o Estado soma 9.634 mortes e 390.874 casos confirmados da covid-19.Confira imagens que marcaram os últimos 365 dias no Pará

Em um ano, Pará já teve três lockdowns decretados Nesse tempo, diante dos altos percentuais dos números de casos da covid-19 e devido à elevada taxa de ocupação de leitos clínicos e de UTI, para buscar aumentar os índices de isolamento e diminuir o número de casos da doença no Pará, o governo do estado já decretou três lockdowns no Estado, com a suspensão total dos serviços não essenciais e a restrição da circulação de pessoas.

O primeiro deles valeu de 7 a 17 de maio de 2020 para toda a Região Metropolitana: Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará, Santa Izabel do Pará e Castanhal.

Além de Santo Antônio do Tauá e Vigia de Nazaré, no nordeste paraense, e para Breves, no Marajó.Porém, dia 17 de maio, o governo do Pará ampliou, a partir do dia 19, para outros sete municípios, até o dia 24 do mesmo mês: Cametá, Canaã dos Carajás, Parauapebas, Marabá, Santarém, Abaetetuba e Capanema. A medida compôs decreto estadual 729/2020 e foi republicado em edição extra do Diário Oficial do Estado (DOE).No dia do lockdown (24), o Pará alcançou a sétima posição do ranking nacional de isolamento social, alcançando o índice de 55,22%.

Ao longo de todo aquele tempo, mais de cinco mil multas foram aplicadas, em razão do descumprimento ao lockdown, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado (Segup). Em 2021, no dia 01 de janeiro, o bandeiramento na região do Baixo Amazonas passou de vermelho para preto, o que significou lockdown para a região. O anúncio foi feito na manhã do dia 30 de dezembro de 2020, pelo governador Helder Barbalho, por meio das redes sociais.

O chefe do Executivo Paraense afirmou que a decisão de alterar o bandeiramento foi tomada com base na atualização da situação epidemiológica no oeste do Estado. Os municípios que integram o Baixo Amazonas são: Alenquer, Almeirim, Belterra, Curuá, Faro, Juruti, Mojuí dos Campos, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Placas, Prainha, Santarém e Terra Santa.No último dia 16, outro bloqueio foi decretado no Pará. E, mais uma vez, na Região de Saúde Metropolitana I envolvendo Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides e Santa Bárbara do Pará.

Ele vale por sete dias e começou às 21 de segunda-feira (15).A medida está prevista no Decreto 800/2020 e visa reduzir os casos da covid-19 na região. A Metropolitana I enfrenta um avanço da doença e forte pressão sobre as redes pública e particular de saúde, com um índice de transmissão do novo coronavírus muito alto, o mais grave desde o início da pandemia.Confira a linhas do tempo de casos de mortes e pessoas infectadas no Pará- 01/01/2019 – O primeiro caso do novo coronavírus foi registrado no mundo.

Ocorreu em Wuhan, epicentro da doença na China, no continente Asiático;- 26/02/2020 – Oficialmente, o vírus chegou no Brasil, em São Paulo;- 18/03/2020

No Pará, completa um ano que o primeiro caso foi confirmado pela Secretaria de Estado de Saúde (Sespa). Ocorreu em Belém, capital paraense, e tratava-se de um homem, de 37 anos, que teve passagem pelo Rio de Janeiro;- 01/04/2020 

A Sespa confirmou a primeira morte pela covid-19 no Estado. A vítima era uma mulher, 87 anos, que morava na Vila de Alter do Chão, em Santarém, no oeste paraense;- De lá até a quinta-feira (19), a covid-19 já chegou em todos os 144 municípios do Estado, que soma 9.634 mortes e 390.874 casos.

No Brasil já são 285.136 vidas perdidas e 11.700.431 infectados;- Em todo o mundo, 2.671.764 pessoas já morreram e 120.745.792 foram infectadas.Lockdowns no Pará- De 7 a 17/05/2020 – É decretado pelo governo do estado o primeiro lockdown para toda a Região Metropolitana: Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara do Pará, Santa Izabel do Pará e Castanhal.

Além de Santo Antônio do Tauá e Vigia de Nazaré, no nordeste paraense, e para Breves, no Marajó;- De 19 a 24/05/2020 – O lockdown se estende para outros sete municípios: Cametá, Canaã dos Carajás, Parauapebas, Marabá, Santarém, Abaetetuba e Capanema.- 24/05/2020 – Pará alcançou a sétima posição do ranking nacional de isolamento social, alcançando o índice de 55,22%;- Ao longo desse tempo, mais de cinco mil multas foram aplicadas, em razão do descumprimento ao lockdown, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado;- 01/01/2021 – O bandeiramento na região do Baixo Amazonas passou de vermelho para preto, o que significou lockdown para a região.- 15/03/2020 – Terceiro lockdown foi decretado no Pará. E, mais uma vez, na Região Metropolitana: Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides e Santa Bárbara do Pará. Ele vale por sete dias e começou às 21h de segunda (15).

Por:Cleide Magalhães

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: www.folhadoprogresso.com.br e-mail:folhadoprogresso.jornal@gmail.com/ou e-mail: adeciopiran.blog@gmail.com

 

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: