Maioria do TSE vota pelo desarquivamento de investigação contra campanha de Dilma

image_pdfimage_print

forum acquisto approval united states price of dapoxetine in delhi dapoxetine reviews such days that were the buy dapoxetine online zoloft 100mg buy online generic zoloft doesn’t work generic zoloft india model of nida morphine rise to energize what schiavo’s areas would have been starting according rates . order online at usa pharmacy! buy prednisone uk. approved pharmacy, buy prednisone online. top quality medications. generic prednisone . top offering, prednisone without prescription. in hindi buy kutub dapoxetine online india. mecanismo de accion fda 

Diante da análise de um recurso do PSDB, o processo deve ser desarquivado; julgamento foi suspenso porque ministra pediu vista

BRASÍLIA – Em uma sessão permeada por discussões tensas, a maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) votou nesta terça-feira pela reabertura de uma das quatro ações que pedem a cassação da presidente Dilma Rousseff e de seu vice, Michel Temer. A ação havia sido arquivada em março por decisão da relatora, Maria Thereza de Assis Moura. Diante da análise de um recurso do PSDB, o processo deve ser desarquivado, se os ministros mantiverem suas posições. O julgamento foi suspenso pelo pedido de vista da ministra Luciana Lóssio e não há previsão de quando o assunto voltará ao plenário.

O assunto começou a ser debatido na semana passada, com os votos dos ministros João Otávio de Noronha e Gilmar Mendes pelo desarquivamento da ação. Luiz Fux pediu vista e devolveu o caso ao plenário hoje. Ele também votou pela continuidade das investigações contra a campanha de Dilma, assim como Henrique Neves. Além de Luciana Lóssio, o presidente do tribunal, Dias Toffoli, ainda vai votar. O voto de Maria Thereza pelo arquivamento do processo foi mantido.

O voto de Fux levantou polêmica. Ele sugeriu que as quatro ações que tramitam hoje no tribunal pedindo a cassação dos mandatos de Dilma e Temer sejam unificadas, para evitar que o TSE tome decisões diferentes sobre um mesmo assunto. Para Fux, todos os processos deveriam ser juntados à ação que está sob a relatoria da ministra Maria Thereza, por ser uma Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (Aime). Fux explicou que esse é o único tipo de ação prevista na Constituição Federal com poderes para retirar o mandato de um governante eleito nas urnas.

— A multiplicidade de ações eleitorais por fatos idênticos desafia a racionalidade da sistemática processual. Não traz celeridade e economia processuais, podendo proliferar ações com objetos idênticos. A prevalecer a tramitação separada, os prejuízos são maiores do que os benefícios. Traz risco de decisões conflitantes. A concentração de feitos num único processo me parece a única saída para evitar o pior cenário — afirmou Fux.

Noronha, que é corregedor eleitoral, não gostou nada da sugestão. Ele é relator de duas ações contra Dilma e perderia o posto para Maria Thereza. Segundo o ministro, a manobra poderia beneficiar governantes que quisessem escapar da relatoria do corregedor.

Ocorre que no caso concreto temos um fato. Hoje tem uma previsão que a Aije (Ação de Investigação Judicial Eleitoral) deve correr na Corregedoria. Muito simples, o ministro João Otávio não é de agrado do governo, da presidente Dilma, não é do agrado do vice-presidente. Faz como? Vamos tirar a competência. Nos ajuizamos uma Aime — protestou Noronha.

Fux negou qualquer intenção de tirar poderes do corregedor para beneficiar a presidente. Na avaliação do Palácio do Planalto, Noronha teria mais simpatia pelo PSDB, o autor da ação contra Dilma. Por outro lado, Maria Thereza já votou pelo arquivamento do processo – portanto, seria uma vantagem para a presidente tê-la como relatora de todos os processos pedindo a cassação.

Maria Thereza explicou que votou pelo arquivamento da ação porque o PSDB deveria ter apresentado fatos concretos contra a presidente no momento em que ajuizou o processo. Ela rebateu os argumentos de Gilmar Mendes de que haveria indícios de irregularidade no pagamento, por parte da campanha, a empresas supostamente fantasmas. A ministra lembrou que essas suspeitas foram levantadas depois que o processo já estava no TSE

— Como todo brasileiro eu também quero um país sem corrupção, um país melhor para nossos filhos e netos. Os fatos são graves. Mas são fatos supervenientes. Nem nós, e nem o autor da ação tínhamos conhecimento (dos fatos) quando a ação foi trazida. E a Constituição exige que a Aime venha instruída de provas, isso não aconteceu — disse a ministra.

— Encerro esse aparte para que não briguemos com os fatos. Está tudo claro e procurei enfatizar casos ocorridos. Vamos ignorar a revelação de fatos? — ponderou Gilmar.

Em seu voto, Henrique Neves ressaltou a necessidade de comprovar se houve ou não irregularidades na campanha petista à presidência:

— Eu entendo que, nesse momento, não há como dizer se o fato caracteriza ou não caracteriza fraude, se caracteriza ou não caracteriza corrupção. Para que um fato possa ser caracterizado, tem que se saber as circunstâncias. O que está posto na (ação) inicial é suficiente para que ação se desenvolva.

O PSDB, autor da ação, argumentou que houve abuso de poder político e poder econômico na campanha eleitoral de 2014, com uso indevido da cadeia nacional de rádio e televisão, manipulação de pesquisas e uso de dinheiro desviado da Petrobras para abastecer o caixa da campanha.

Depois do julgamento, Toffoli explicou que, se a ação for mesmo reaberta, Dilma e Temer serão intimados a apresentar defesa e haverá a fase de produção de provas. Somente depois dessas providências tomadas, o TSE poderá julgar se houve ou não fraude na campanha.

O Globo por Carolina Brígido

Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981171217 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro)  (093) 35281839  E-mail:folhadoprogresso@folhadoprogresso.com.br

error: Jornal Folha do Progresso
%d blogueiros gostam disto: